Ministério do Mar rejeita incompatibilidades de diretor-geral

BE acusa Ruben Eiras de ter sido assessor da ministra enquanto trabalhava na Galp. Ana Paula Vitorino garante que dirigente cessou funções quando foi nomeado

O Ministério do Mar garante que o diretor-geral de Política do Mar, Ruben Eiras, "nunca" exerceu em simultâneo a função de assessor da ministra Ana Paula Vitorino e de gestor "de projetos de I&D e das Relações com o Sistema Científico e Tecnológico" da Galp Energia.

Em resposta escrita ao DN, o Ministério recusa a acusação feita pelo Bloco de Esquerda sobre alegadas incompatibilidades de Ruben Eiras. "Nunca existiu exercício simultâneo das duas funções. Rúben Eiras iniciou o seu trabalho como assessor da ministra do Mar em janeiro de 2016, como se pode constatar pelo Despacho nº 6601/2016. Isto depois de ter interrompido as suas funções na Galp em dezembro de 2015."

Para os bloquistas, Ruben Eiras também já não deveria estar no lugar de diretor-geral da Política de Mar porque, argumenta o grupo parlamentar do BE num requerimento dirigido ao gabinete ministerial, "após os 90 dias sobre a nomeação do dirigente em regime de substituição, se não estiver publicitado o aviso de concurso para o preenchimento do lugar cessa a nomeação". E que a lei prevê que um dirigente só pode permanecer provisoriamente no cargo se houver concurso aberto.

Para o Ministério do Mar, esta interpretação não faz sentido. O gabinete de Ana Paula Vitorino argumenta que "o Estatuto do Pessoal Dirigente estabelece o prazo administrativo de 90 dias, contado em dias úteis, que é um prazo indicativo, dado que a lei ressalva os casos em que esteja em curso o procedimento de designação de novo titular". E acrescenta: "Isto não significa que o procedimento concursal, conduzido pela CRESAP [Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública], deva estar concluído nesses 90 dias, nem significa que o concurso "deva ser aberto" nesse prazo."

De facto não está, admite o Ministério do Mar: "Durante o mês de junho do corrente ano, o gabinete da ministra do Mar deu início ao procedimento interno de identificação das competências do cargo de direção a prover e caracterização do mandato de gestão, encontrando-se a ultimar esse procedimento, pelo que o concurso será aberto em breve."

Segundo a resposta da fonte oficial, este facto deve-se ao "procedimento de seleção para cargos de direção superior" envolver "uma tramitação complexa, ainda que urgente".

O processo, justifica o gabinete de Ana Paula Vitorino, inicia-se "com a caracterização, pelo membro do Governo competente, do mandato de gestão, a que segue a elaboração (pela CRESAP) e homologação (pelo membro do Governo) da proposta de perfil de competências e só posteriormente é efetuada, pela CRESAP, a publicitação do procedimento e a aplicação dos métodos de seleção e é elaborada a proposta de designação dos candidatos, tudo dependente dos prazos previstos na lei".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.