Mendes sobre Rio. "Um líder deve ser agregador não incendiário"

Marques Mendes considerou um "erro e enorme" o desafio que Rui Rio fez aos críticos internos para sair do partido, na entrevista à TSF. "É um sinal de nervosismo, de insegurança e de fraqueza", assegurou.

No habitual comentário na SIC, o antigo presidente do PSD disse que um "um líder deve ser agregador e não incendiário" e recordou que fez Cavaco Silva quando foi eleito em 1995, na Figueira da Foz. O ataque aos críticos internos é ainda um "erro" porque, sublinhou Mendes, desvia a atenção do essencial que é a oposição ao governo.

Congratulou-se que no encerramento da Universidade de Verão, o líder social-democrata tenha "recuado" ao não ter voltado a falar para os críticos. Mas sublinhou que se Rio quer ganhar as eleições, "tem de falar para o país e não para dentro do partido. O seu adversário é o primeiro-ministro não são os companheiros de partido",

As "querelas internas" no PSD também se refletem no fraco resultado que obteve nas intenções de voto, segundo a sondagem da Aximagem publicada durante a semana. "Terramoto" para o partido, e também para o BE foi a palavra que utilizou para classificar o resultado obtido pelos dois partidos. Lembrou que o PSD baixou num mês de 27% para 24% "É o pior resultado de sempre do PSD numa sondagem" e, reforçou que o pior é que "vê crescer o CDS à sua custa". O partido de Assunção Cristas passou para terceiro partido, à frente do PCP e do BE.

O Bloco de Esquerda, que caiu de 9% para 7%, desce, na opinião de Marques Mendes, pelo efeito do caso Robles. O BE "perdeu força no pior momento possível" porque chega à negociação do Orçamento do Estado para 2019 "enfraquecido".

As rentrées do fim de semana também foram analisadas pelo comentador político. De Rui disse que fez bem não se virar para dentro, mas continua a não ter uma causa ou uma proposta diferente e alternativa da governação. Ao invés, Mendes considerou que Assunção Cristas teve vários "picantes" na sua intervenção na Festa da Família, em Valongo. Mostrou grande dureza com o governo, mostrando que quer liderar a oposição; assumiu a redução de impostos como a grande causa. "E, cereja em cima do bolo". o PS perdeu a cabeça e deu uma conferência de imprensa a bater em Assunção Cristas. "Só lhe reforça o estatuto", argumentou.

Marques Mendes abordou ainda a atualidade de Sporting e Benfica, confessando ter Frederico Varandas em muito boa conta e abordando o caso e-toupeira, considerando que a impunidade no futebol português vai acabar, elogiando - mais uma vez - a Procuradora Geral da República: "Joana Marques Vidal é boa para o futebol e para o país."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.