Mendes diz que IRS vai descer e IVA da eletricidade também

Um alívio fiscal no imposto sobre o rendimento está garantido no Orçamento de Estado para 2019, segundo o comentador político.

Marques Mendes garantiu na SIC que o governo está a estudar o modo e os termos de um desagravamento fiscal no IRS. Tal como já estará decidido que o IVA da eletricidade vai baixar, apenas falta saber se baixa da taxa de 23% para 13% ou 6%.

O antigo líder do PSD sublinhou que, ao contrário do que foi dito, haverá negociações entre o executivo e os parceiros no Parlamento. "No final, será um orçamento eleitoralista, aprovado pelo PCP e BE e contemplando um défice próximo do zero", garantiu Marques Mendes.

As outras prioridades do governo em sede de discussão do OE2019 serão, segundo Mendes, a da atualização das pensões e o reforço das verbas para os serviços públicos e para o investimento público. A Saúde, a Cultura e a Ciência, disse, serão as áreas privilegiadas. O reforço da dotação para a função pública também estará sobre a mesa, com eventual "atualização de salários" e decisão sobre novas contratações.

Marques Mendes não acredita que PCP e BE possam romper com o governo e votar contra o Orçamento do Estado mesmo que se mantenha o braço de ferro com os professores. "Se não houver acordo com os professores, quem mais beneficia eleitoralmente com isso é o PCP e o BE. E quem mais perde é o PS", vaticinou o também conselheiro de Estado.

A questão dos professores é para Mendes, um enorme "berbicacho" para o governo, provavelmente o maior problema até final do mandato.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".