Testemunhos sobre a vida da nação: um madeireiro, uma padeira e um cientista

O Parlamento discute o Estado da Nação e o DN regista o que pensam 24 portugueses de diferentes áreas profissionais. O que é que mudou na sua profissão após três anos de Governo PS com o apoio da esquerda parlamentar?

Maria João Félix - Padeira

Em relação à minha situação, as coisas estão mais ou menos na mesma, nunca estiveram muito boas. Mas o que tenho sentido nos últimos anos são as leis do trabalho que estão bem piores, os patrões fazem o que querem. Trabalho 46 horas por semana, pagam-nos mais uma hora por dia, senão só ganhava o salário mínimo. A nível da freguesia, vendemos menos que há três anos, mas isso tem a ver com o estacionamento, com os parquímetros. As pessoas que trabalham na zona paravam aqui para compra pão e agora não têm onde estacionar, já não compram. Os parquímetros tiraram muita freguesia.

Octávio Mateus - Paleontólogo

Assistimos a um crescimento da paleontologia: aumento de projetos, de investigadores, de estudantes, etc. O Dino Parque, na Lourinhã, é um bom exemplo, como também é um bom exemplo a abertura do primeiro mestrado em paleontologia (Universidade Nova de Lisboa). Felizmente a área tem tido um aumento significativo quer em quantidade quer no impacto que tem na sociedade. A nível da ciência em geral, é salutar que se tenha ido de encontro à política do Mariano Gago, que foi recuperada. Essa é uma diferença do atual governo e dos governos mais de esquerda: há um maior empenho e financiamento na ciência e mais facilidade para os cientistas obterem financiamento.

Avelino Reis - Empresário da indústria da indústria da madeira

O que mudou foram os fogos, que vieram dar cabo da nossa continuidade, daqui a dois anos poderá estar em causa a nossa sustentabilidade, já que vamos necessitar de matéria-prima e não a temos. Os fogos afetaram todo a indústria ligada à madeira, desde as empresas que cortam na floresta até quem os que fabricam os produtos. Neste momento, temos excesso de matéria-prima mas que não está a ser aproveitada. O Estado tem madeira que não está a vender - estou a referir-me ao Pinhal de Leiria, os pinheiros podiam ser vendidos para as serrações (para fazer paletes, mobiliário, etc.).e está a demorar muito tempo. Depois do verão, estará já azulada, estragada, e só dá para as fábricas de pellets, aglomerado ou papel.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.