Martins da Cruz diz que Governo "envergonhou a polícia e envergonhou Portugal"

Embaixador e antigo ministro dos Negócios Estrangeiros intervinha no congresso fundador do partido Aliança, de Pedro Santana Lopes.

A recente proibição de entrada na Venezuela de oito polícias para reforçar a segurança das instalações diplomáticas portuguesas levou o embaixador Martins da Cruz a acusar este sábado o Governo de ter envergonhado a polícia e o país.

O Executivo "não preparou a viagem", que decorreu "tarde e a más horas" no domingo, "fê-lo depois de ter anunciado que ia deixar de reconhecer" o presidente Nicolás Maduro - pelo que "envergonhou a polícia e envergonhou Portugal. E ainda tentou abafar o caso", insistiu o antigo chefe da diplomacia portuguesa e embaixador junto da NATO.

Martins da Cruz intervinha no congresso fundador do partido Aliança, que decorre este fim de semana em Évora e onde estavam presentes alguns representantes de comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo. "Temos de as saber proteger e defender onde quer que estejam", frisou o diplomata, ministro dos Negócios Estrangeiros e das Comunidades Portuguesas (2002-2003) no governo de Durão Barroso.

"A diáspora portuguesa é também a identidade nacional de Portugal", destacou Martins da Cruz, , lamentando qur a política esteja a "afastar-se dos problemas das pessoas" e em que a rigidez do sistema político-partidário está a abrir espaço a "forças inorgânicas" e populismos que "estão a procurar furar esse bloqueio".

A propósito da Europa, Martins da Cruz disse esperar que a UE "respeite a soberania dos seus membros" e "seja aberta ao mundo", sem "muros como alguns querem construir" - e sobre a qual a Aliança "será indispensável no debate político português e europeu", concluiu o embaixador que se filiou no partido de Pedro Santana Lopes após este romper com o PSD de Rui Rio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.