Marinha retira vídeos com a Polícia Marítima das redes sociais

Medida adotada após o Ministério da Defesa questionar a presença de meios e agentes de uma força de segurança em filmes promocionais do ramo naval das Forças Armadas.

A Marinha retirou há dias, das redes sociais, o seu vídeo promocional deste ano onde apareciam agentes e meios da Polícia Marítima em atividade.

O ramo naval das Forças Armadas confirmou a informação dada ao DN por fontes policiais, precisando que a decisão motivada após intervenção do Ministério da Defesa visou apenas o YouTube porque o vídeo já tinha sido retirado das outras plataformas.

A edição de 2018 do vídeo "Servir Portugal no mar", de promoção à Marinha, voltou a mostrar a Polícia Marítima como se esta força de segurança fizesse parte das Forças Armadas.

O Ministério agiu após queixa da Associação Socio-Profissional da Polícia Marítima (ASPPM), argumentando que o filme "mais uma vez integra a imagem, as atividades e a locução dos profissionais" daquela força de segurança "como se de militares da Marinha se tratem".

Segundo a ASPPM, essa opção da Marinha contrariava "o entendimento do Provedor de Justiça" sobre um problema que se arrasta há anos - decorrente do entendimento do ramo de que também pode exercer poderes de autoridade marítima (inspeção, fiscalização) - e foi enviado ao Ministério da Defesa em meados de 2017.

O Provedor de Justiça instou o ministro da Defesa a promover a "afirmação da identidade distintiva da Polícia Marítima por forma a ser possível destrinçá-la com clareza, no quadro do exercício da autoridade do Estado, daquele que é o apoio e a cooperação prestados pela Marinha [à] Autoridade Marítima Nacional".

Note-se que o chefe militar da Marinha exerce também a função de Autoridade Marítima Nacional (AMN), a fim de ser "responsável pela coordenação das atividades, de âmbito nacional, a executar pela Marinha e pela Direção-Geral da Autoridade Marítima".

Provedor de Justiça

O então Provedor, José de Faria Costa, alertou ainda para a importância de dar "permanente atenção à salvaguarda institucional da Polícia Marítima enquanto força policial, com vista a prevenir situações de possível equívoco ou confusão com aquele ramo das Forças Armadas".

Importa "acautelar [...] a diferenciação clara do que é a atividade de polícia nos espaços marítimos soberanos e jurisdicionais", os primeiros até às 12 milhas e os segundos até às 200 milhas, defendeu ainda o Provedor de Justiça no parecer enviado ao ministro da Defesa.

Note-se que, segundo reafirmou há dias ao DN uma jurista da Marinha na presença do chefe do Estado-Maior do ramo, a partir das 12 milhas (e até às 200 milhas) aplica-se o Direito Internacional Marítimo em vez da jurisdição portuguesa.

Contudo, como diz o Regulamento Geral das Capitanias, "entende-se por jurisdição marítima a atividade exercida pelas autoridades marítimas para o desempenho da sua competência".

Acresce que autoridade marítima é "o poder público a exercer nos espaços marítimos sob soberania ou jurisdição nacional, traduzido [...] no exercício de fiscalização e de polícia" para garantir o "cumprimento das leis e regulamentos aplicáveis nos espaços marítimos sob jurisdição nacional", determina o diploma que criou o Sistema de Autoridade Marítima.

E este mesmo diploma exclui expressamente a Marinha da lista de entidades que "exercem o poder de autoridade marítima no quadro do SAM e no âmbito das respetivas competências".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.