Mariana Mortágua. "Vamos ser governo? Estamos prontos"

Deputada bloquista diz que o BE impediu o "plano de Bruxelas" que era o programa eleitoral do PS

"Perguntam-nos se queremos ser governo? Sim, queremos. Perguntam-nos se vamos ser governo? Estamos prontos". Mariana Mortágua falou esta manhã aos delegados da XI Convenção do partido, para sublinhar o papel dos bloquistas nesta legislatura

Para a deputada bloquista, a proposta de Centeno com que o PS se apresentou em 2015 às eleições "já era o plano de Bruxelas", ainda antes de Centeno ser ministro das Finanças - o congelamento das pensões, um regime de liberalização dos despedimentos. Recordando que Centeno colocava como alternativas, para a sustentabilidade da Segurança Social, o crescimento do emprego ou o corte de pensões, a deputada reclamou para os bloquistas a inversão desta trajetória no executivo. "Eram erradas e ainda bem que as impedimos".

Já noutras áreas foi mais difícil inverter o rumo, apontou a deputada, avançando o exemplo do Novo Banco, que deveria ter ficado sob a alçada do Estado, o que não aconteceu por "cedência do PS".

Antes, outro dirigente bloquista, Jorge Costa, defendeu perante os delegados que, no próximo ano, a "campanha do poder do capital" será uma campanha pela maioria absoluta do PS. "Eles não nos perdoam. Eles olham para esta legislatura e não nos perdoam", afirmou o bloquista, defendendo que "o capital quer que esta legislatura seja um parêntesis" - e, quando "olha para o estado da direita, sabe que só uma maioria absoluta do PS" pode impedir os partidos da esquerda de chegar novamente ao poder. E citou Francisco Van Zeller ("Se Costa tiver maioria absoluta despeja rapidamente o Bloco de Esquerda e o PCP") e Soares dos Santos ("O BE e o PCP" só atrapalham") para "avisar" os bloquistas: "Preparem-se para essa campanha".

Para o bloquista, as críticas dos patrões provam que o percurso do partido valeu a pena: "Alguma coisa andámos a fazer bem nos últimos tempos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.