Marco Almeida regressa ao PSD

O vereador da Câmara Municipal de Sintra volta a filiar-se no partido, depois de em 2014 sido expulso do PSD por ter concorrido como independente à autarquia.

Marco Almeida regressa agora às fileiras sociais-democratas depois de ter entrado em rutura com o partido para encabeçar uma candidatura independente à Câmara de Sintra nas autárquicas de 2013."Acredito na liderança do dr. Rui Rio e volto com grande convicção para dar uma ajudar à vitória do PSD nas eleições de 2019", diz ao DN o autarca.

Nas eleições de 2013, o PSD de Pedro Passos Coelho escolheu Pedro Pinto, que era vice-presidente do partido, para encabeçar a lista àquela autarquia contra Basílio Horta, que liderou a lista do PS. Marco Almeida que exercida o cargo de vice-presidente da Câmara no executivo de Fernando Seara, e considerava ser o "candidato natural" do PSD, acabou por se desvincular do partido e encabeçar um movimento independente "Sintrenses com Marco Almeida".

Contados os votos em 2013, Basílio Horta ganhou a presidência do município com 26.83%. pouco mais de um ponto percentual acima de Marco Almeida (25,42%) e o PSD foi a terceira força mais votada na autarquia. Na altura houve fortes criticas a Passos, já que foi claro que se tivesse apostado em Marco Almeida o partido teria mantido o poder naquela câmara.

As autárquicas de 2017 ditaram uma reviravolta. Marco Almeida voltou a avançar para Sintra, mas desta feita com o apoio do PSD. Mas só agora o autarca faz o movimento de regresso ao partido no consulado de Rui Rio.

O vereador da câmara de Lisboa recorda que em 2013, quando lhe faltou o apoio do partido e do coordenador autárquico de então, Jorge Moreira da Silva, depois das eleições autárquicas Rui Rio, que era presidente da Câmara do Porto, recebeu-o e "esteve disponível" para dicsutir as competências das autarquias.

"Não vou ser um militante passivo, vou ser muito ativo para ajudar o PSD a conquistar as eleições em 2019", garante Marco Almeida.

Marco Almeida foi vice-presidente da Câmara Municipal de Sintra, vereador, integrou o Executivo da Junta de Freguesia de Agualva Cacém e foi candidato à liderança da bancada do PSD na Assembleia de Freguesia de Agualva Cacém.

Foi ainda eleito conselheiro distrital da JSD e delegado à Assembleia de Militantes de Lisboa do PSD, conselheiro e vogal da Comissão Política Nacional presidida por Manuela Ferreira Leite entre 2008 e 2010. Fez parte, ainda, dos Trabalhadores Social Democratas (TSD) de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.