Marco Almeida regressa ao PSD

O vereador da Câmara Municipal de Sintra volta a filiar-se no partido, depois de em 2014 sido expulso do PSD por ter concorrido como independente à autarquia.

Marco Almeida regressa agora às fileiras sociais-democratas depois de ter entrado em rutura com o partido para encabeçar uma candidatura independente à Câmara de Sintra nas autárquicas de 2013."Acredito na liderança do dr. Rui Rio e volto com grande convicção para dar uma ajudar à vitória do PSD nas eleições de 2019", diz ao DN o autarca.

Nas eleições de 2013, o PSD de Pedro Passos Coelho escolheu Pedro Pinto, que era vice-presidente do partido, para encabeçar a lista àquela autarquia contra Basílio Horta, que liderou a lista do PS. Marco Almeida que exercida o cargo de vice-presidente da Câmara no executivo de Fernando Seara, e considerava ser o "candidato natural" do PSD, acabou por se desvincular do partido e encabeçar um movimento independente "Sintrenses com Marco Almeida".

Contados os votos em 2013, Basílio Horta ganhou a presidência do município com 26.83%. pouco mais de um ponto percentual acima de Marco Almeida (25,42%) e o PSD foi a terceira força mais votada na autarquia. Na altura houve fortes criticas a Passos, já que foi claro que se tivesse apostado em Marco Almeida o partido teria mantido o poder naquela câmara.

As autárquicas de 2017 ditaram uma reviravolta. Marco Almeida voltou a avançar para Sintra, mas desta feita com o apoio do PSD. Mas só agora o autarca faz o movimento de regresso ao partido no consulado de Rui Rio.

O vereador da câmara de Lisboa recorda que em 2013, quando lhe faltou o apoio do partido e do coordenador autárquico de então, Jorge Moreira da Silva, depois das eleições autárquicas Rui Rio, que era presidente da Câmara do Porto, recebeu-o e "esteve disponível" para dicsutir as competências das autarquias.

"Não vou ser um militante passivo, vou ser muito ativo para ajudar o PSD a conquistar as eleições em 2019", garante Marco Almeida.

Marco Almeida foi vice-presidente da Câmara Municipal de Sintra, vereador, integrou o Executivo da Junta de Freguesia de Agualva Cacém e foi candidato à liderança da bancada do PSD na Assembleia de Freguesia de Agualva Cacém.

Foi ainda eleito conselheiro distrital da JSD e delegado à Assembleia de Militantes de Lisboa do PSD, conselheiro e vogal da Comissão Política Nacional presidida por Manuela Ferreira Leite entre 2008 e 2010. Fez parte, ainda, dos Trabalhadores Social Democratas (TSD) de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".