Marcelo só soube há pouco tempo que em Angola é o "Ti Celito"

"Noutro dia o senhor Presidente João Lourenço disse-me baixinho (estávamos na cimeira do Sal): sabe como é que é chamado cá? Não, não sei! Ti Celito! Ai é? É! Quando lá foi, criou-se uma expressão carinhosa, no sentido de as pessoas gostarem de si..."

O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, só há pouco tempo soube que, em Angola, é tratado por "Ti Celito", mas ficou sensibilizado quando o homólogo João Lourenço lhe contou a "expressão carinhosa" dos angolanos para lhe manifestar afeto.

"Noutro dia o senhor Presidente João Lourenço disse-me baixinho (estávamos na cimeira do Sal): sabe como é que é chamado cá? Não, não sei! Ti Celito! Ai é? É! Quando lá foi, criou-se uma expressão carinhosa, no sentido de as pessoas gostarem de si...", contou o chefe de Estado português, numa entrevista à Rádio Nacional de Angola, hoje difundida.

Conhecido em Portugal como "o Presidente dos afetos", Marcelo Rebelo Sousa ficou "sensibilizado" com a forma carinhosa como os angolanos olham para si, desde que em setembro de 2017 se deslocou a Luanda para a cerimónia de tomada de posse do homólogo João Lourenço.

"Eu fiquei muito sensibilizado. Não sabia. Uma coisa é certa: é que eu tenho família em Angola, primos já afastados. Há uma ligação muito antiga através de muitos alunos angolanos que sempre tive. Das várias vezes que estive em Angola, nomeadamente para ensinar, guardei as melhores das recordações, ensinei alunos, estive em júris de provas muito variadas, tive contactos populares muito diversificados", lembrou.

Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou ainda para recordar o afeto sentido na visita que fez a Luanda por ocasião da posse de João Lourenço como Presidente da República Popular de Angola.

"As pessoas menos atentas não viram a forma tão calorosa como eu fui recebido, quer nas ruas, quer nas praias, quer na própria cerimónia da posse", argumentou, fazendo depois a ponte para as relações entre povos 'irmãos' para concluir que não há mais afeto quando as pessoas estão todos os dias juntas.

"As relações afetivas mais fortes são aquelas em que as pessoas estão nelas com total despojamento. Eu acho que estamos nessa fase em relação a Angola e Portugal", acentuou.

O chefe de Estado português lembrou que está, às vezes, "muito tempo sem ver os irmãos, os filhos e os netos".

"Quer isto dizer que eu sou menos próximo? Não, a vida é assim! Hoje, faz parte da lógica das coisas não sermos possessivos", sustentou, considerando "naturalíssimo" que Portugal ou Angola tenha relações com vários parceiros, sem que isso cause "ciúmes" entre ambos.

Para o Presidente da República português, "é essencial" olhar para o futuro "com disponibilidade" e "desprendimento".

"Agora, podemos obviamente, neste novo ciclo, dar passos para que essa natural cumplicidade, essa natural identificação de muitos propósitos, se converta em mais ativos, em mais dinâmica, em mais social, em mais comunitária, em mais participada. Podemos e devemos fazer isso, mas sem ciúmes", concluiu Marcelo Rebelo de Sousa na entrevista à Rádio Nacional de Angola.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.