Marcelo responde a críticas de Mário Nogueira. "Há coisas que são incompreensíveis na vida"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirma que, "por definição", não "entra em guerra com nenhuma classe profissional".

Marcelo Rebelo de Sousa considerou neste domingo incompreensíveis as críticas da federação dos professores, que o acusou de não ser Presidente de todos os portugueses, alegando que a história contada pelos sindicalistas do 9.4.2 é "mal-amanhada".

O Presidente da República advertiu que, "por definição", não "entra em guerra com nenhuma classe profissional, menos ainda com a dos professores", porque "é professor", em resposta às críticas do secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, no sábado, no final do congresso dos sindicatos.

Mário Nogueira criticou Marcelo Rebelo de Sousa por a última coisa que lhe ouviu dizer em Portalegre, na véspera do 10 de Junho, "foi que 9.4.2. para número de telefone ainda faltavam alguns dígitos", numa referência aos nove anos, quatro meses e dois dias (9.4.2) de tempo de serviço congelado que os sindicatos reclamam de contagem para a sua carreira.

"Este Presidente não é Presidente de todos os portugueses. É uma vergonha o que ele disse sobre os professores e que isso fique registado", salientou o sindicalista no final do congresso da Fenprof.

"É uma coisa que eu nem sequer percebi. Há coisas que são incompreensíveis na vida", afirmou o Chefe do Estado em resposta às declarações de Mário Nogueira.

Neste domingo, Marcelo deu a sua versão aos factos em declarações aos jornalistas, antes de visitar, no Hospital das Forças Armadas, em Lisboa, o soldado português ferido, na quinta-feira, num acidente de viação na República Centro-Africana.

O que Mário Nogueira disse que se passou a 9 de junho é "uma história muito mal contada, como diz o povo, mal-amanhada".

Marcelo Rebelo de Sousa disse ter falado com dirigentes sindicais antes de uma inauguração, em Portalegre, um "encontro cordial", que "acabou com uma selfie tirada por uma sindicalista" e em que lhe foi perguntado "se não esquece quais sãos os anos, os meses e os dias" de contagem da carreira dos professores.

Ao que respondeu que sim, relatou, e que disse compreender que "a luta continua" por parte dos professores, na próxima legislatura, por esta reivindicação.

Uma hora depois, finda a inauguração, acenaram-lhe de longe e os mesmos dirigentes perguntaram se não esquecia os números, ao que respondeu que não: "Mais complicado é esquecer números de telefone, e eu lembro-me", disse na altura.

"Transformar isso numa guerra é uma coisa que não tem o mínimo sentido", concluiu o Presidente da República, lembrando ter sido criticado por outras classes profissionais por receber os professores no meio de um processo legislativo, como foi o do tempo de contagem de carreira dos docentes.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.