Marcelo vai passar parte do Dia de Portugal em Cabo Verde

O Presidente da República começa as celebrações do 10 de junho em Portugal para depois viajar até Cabo Verde

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou esta segunda-feira em Cabo Verde que vai passar parte do 10 de junho, Dia de Portugal e das Comunidades, neste país, onde visitará as cidades da Praia e do Mindelo.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas durante a visita que efetuou à Rádio de Cabo Verde (RCV), acompanhado do seu homólogo cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca.

O Chefe de Estado português encontra-se em Cabo Verde, de onde partirá ainda esta segunda-feira para o Brasil para assistir à tomada de posse do Presidente eleito, Jair Bolsonaro.

"Estou no aquecimento para vir cá festejar o Dia de Portugal e das comunidades em Cabo Verde, na cidade da Praia, acolhido pelo nosso querido Presidente [cabo-verdiano] e pelas autoridades cabo-verdianas e o povo cabo-verdiano, e depois dar um pulo ao Mindelo", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Comemorações começam em Portugal

"Começaremos no território português e depois partiremos para chegar aqui a meio da tarde, o que permitirá ainda nessa tarde e durante a noite celebrar aqui na cidade da Praia e, no dia seguinte, na cidade do Mindelo", ilha de São Vicente, prosseguiu.

Com este programa, o Presidente português pretende "cobrir o mais possível diferentes comunidades de portugueses, em várias ilhas, sempre numa grande fraternidade com o presidente e as autoridades cabo-verdianas".

A passagem de Marcelo Rebelo de Sousa por Cabo Verde em junho de 2019 deverá ainda ter um programa "à margem das comemorações". "Temos um programa complementar. Há muito tempo que o Presidente [cabo-verdiano] quer que eu vá a uma ilha muito especial para ele", disse o chefe de Estado português.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou no domingo à tarde a Cabo Verde, tendo jantado num dos mais famosos restaurantes na cidade da Praia.

Esta segunda-feira de manhã, pelas 08:30, começou o dia com um mergulho nas águas da Prainha, onde conviveu com populares.

O Presidente elogiou a "temperatura única na água" e o sol que se faz sentir em Cabo Verde. "Como veem, um sonho", disse.

Para o chefe de Estado esta foi uma forma "muito agradável de acabar o ano".

Durante a visita que efetuou à RCV, Marcelo rebelo de Sousa teve ainda a oportunidade de ler uma mensagem de ano novo em crioulo, tendo no final confessado que "o crioulo não é tão diferente assim do português. É mais abreviado, mais rápido e mais intenso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.