Marcelo vai dar a última aula a 20 de setembro

Presidente irá participar na abertura do ano letivo da Universidade de Lisboa, sua alma mater

O Presidente da República afirmou esta sexta-feira que aceitou o convite do reitor da Universidade de Lisboa para dar a sua última aula na abertura do ano letivo, o que irá acontecer no dia 20 de setembro.

"Eu já tinha tomado uma decisão quando o senhor reitor da Universidade de Lisboa, que é a minha universidade, na eventualidade de dar a minha última aula na abertura do ano letivo, o que aceitei", disse aos jornalistas Marcelo Rebelo de Sousa durante a visita que efetuou esta tarde à Fatacil, em Lagoa, no Algarve.

A revelação de Marcelo Rebelo de Sousa surgiu quando foi questionado sobre se pensava voltar a dar aulas depois de terminar o mandato na presidência, após o Governo ter desbloqueado a obrigatoriedade da reforma na função pública aos 70 anos.

"Portanto, irei dar a minha última aula na abertura do ano letivo, no dia 20 de setembro. É a última aula, é a última aula", sublinhou o Presidente da República.

Durante a visita à Fatacil, a maior feira de agricultura, turismo, comércio e indústria que se realiza a sul do rio Tejo, Marcelo Rebelo de Sousa escusou-se a comentar assuntos da vida política nacional, desdobrando-se em contactos com os expositores e visitantes.

Nas duas horas e meia que durou a visita, o Presidente da República percorreu todo o recinto e acedeu às muitas solicitações para tirar uma 'selfie', de portugueses e de estrangeiros de férias no Algarve.

A 39.ª edição da Fatacil decorre até ao dia 26, com a presença de 700 expositores que se estendem por uma área de 50 mil metros quadrados, no Parque de Feiras e Exposições daquela cidade algarvia, do distrito de Faro.

Com um orçamento de 900 mil euros, o evento espera a visita de 180 mil pessoas, mais dez mil do que em 2017, durante os dez dias.

Entre os expositores de diversos setores de atividade, estão 180 artesãos, empresas comerciais e industriais (265), empresas do setor agropecuário, agroalimentares e máquinas agrícolas (150), gastronomia (50) e 55 entidades diversas, como autarquias, escolas, instituições de solidariedade social e outras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.