Marcelo "não autoriza" utilização da sua imagem por candidatos. PS desculpa-se

Nota da Presidência surge depois da denúncia um deputado social-democrata sobre a eventual utilização da imagem de Marcelo pela lista dos candidatos socialistas por Coimbra. PS já pediu desculpa e mandou retirar material de campanha em causa.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira que "não autoriza nem autorizará a utilização da sua imagem por qualquer candidato ou candidatura às próximas eleições" legislativas.

"O Presidente da República não autoriza nem autorizará a utilização da sua imagem por qualquer candidato ou candidatura às próximas eleições", refere uma nota do chefe de Estado publicada no site da Presidência da República.

O esclarecimento surgiu depois de o deputado do PSD Cristóvão Norte ter apresentado na rede social Twitter um folheto com a lista dos candidatos socialistas por Coimbra, cuja cabeça de lista é a atual ministra da Saúde, Marta Temido.

Além das fotografias dos candidatos surge uma imagem de Marcelo Rebelo de Sousa com o número dois da lista, Pedro Coimbra, que é também deputado, presidente da Federação Distrital de Coimbra e presidente da Assembleia Municipal de Penacova.

"O gabinete do Presidente tem de tornar público que rejeita esta grosseira manipulação e que exige a sua remoção. O PS domina as artes menores da política. Folheto PS do círculo de Coimbra", lê-se na mensagem do deputado social-democrata.

Aos jornalistas, à margem de uma visita à Feira do Livro do Porto, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou esperar que a "utilização abusiva" da sua imagem em folheto com os candidatos do PS de Coimbra às eleições legislativas seja retirada.

O chefe de Estado disse não autorizar "nenhum candidato" a utilizar a sua imagem em campanha eleitoral. "Como sabem, tiro fotos com milhões de portuguesas e portugueses, mas isso é uma coisa, outra coisa é um, algum ou alguma desses portugueses candidatos utilizar isso para efeitos de campanha", afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa adiantou que tinha acabado "de ditar para o sítio da Presidência da República uma coisa muito simples que é, o Presidente da República não autorizou, não autoriza, nem autorizará nenhum candidato a utilizar a sua imagem na campanha eleitoral, só". O chefe de Estado acrescentou que, com esta sua posição, espera que seja retirada a "utilização abusiva" da sua imagem.

Perante a reação do Presidente da República, o secretário-geral do PS pediu nesta sexta-feira desculpa ao Presidente da República pela utilização da sua imagem em material de campanha eleitoral dos socialistas de Coimbra, que o partido já mandou retirar de circulação e destruir."A direção de campanha do PS já pediu desculpas ao Presidente da República e mandou retirar e destruir todo esse material de campanha. Posteriormente, o secretário-geral do PS também já falou com o Presidente da República a pedir desculpa pelo sucedido", afirmou à Lusa fonte oficial deste partido.

Numa nota posteriormente divulgada à agência Lusa, os socialistas referem que "a direção de campanha do PS tomou conhecimento do uso indevido da imagem do senhor Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em material de campanha no distrito de Coimbra".

"A diretora de campanha e secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, já contactou a Presidência da República lamentando a situação e assegurando que o referido material não foi por si aprovado nem era do seu conhecimento. Foram dadas, de imediato, instruções à federação de Coimbra para destruir todo o referido material. O PS apresenta ao Senhor Presidente da República as desculpas pelo sucedido", lê-se na mesma nota.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.