Marcelo no São João em Braga, no dia em que as questões políticas "não são importantes"

Presidente da República está a festejar o São João em Braga para "recordar os tempos de juventude". Assou sardinhas, controlou os cozinhados e frisou que este não é dia para falar de política.

O presidente da República afirmou este domingo que nos Santos Populares as questões políticas "não são importantes" e, depois de hora e meia para entrar num restaurante, explicou que há muito não vinha a Braga nesta festividade.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou à avenida da festa sozinho, antes da hora marcada, assou umas sardinhas e depois de ser reconhecido foi "só" hora e meia para subir os três degraus de acesso à sala onde este ano a sardinha não lhe iria escapar.

"Este ano tinha falta injustificada. O ano passado faltei justificadamente por razões de saúde, mas este ano cumpri a promessa e venho recordar os meus tempos de juventude", disse.

Em 2018 o chefe de Estado sentiu-se mal no final de uma visita ao Bom Jesus de Braga e acabou por não jantar na festa.

Os jornalistas ainda tentaram desviar a atenção do Presidente das sardinhas para a falta de espírito festivo da "geringonça".

"Sabe que na noite de S. João essas questões são questões que acabam por não serem importantes, são para serem tratadas noutra situação, noutro local", respondeu Marcelo Rebelo de Sousa, desviando novamente a conversa para as sardinhas, enquanto verificava se uma panela de batatas estava já pronta a servir.

"Eu não vinha a Braga no S. João há uns 15 ou 20 anos. Vejo mais gente, mais gente de fora", disse.

Depois de muito esforço, muitas 'selfies', beijinhos e ver sardinhas a passar o Presidente conseguiu chegar à sua mesa.

"Não fora a missa [celebrada amanhã pelas 09.00] seria uma noite interminável", avisou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.