Marcelo: Estado tem de acompanhar gestão da TAP, incluindo prémios

"O Estado tem metade do capital da TAP deve acompanhar atentamente a gestão da TAP", frisou.

O Presidente da República disse este sábado, em Santarém, que o Estado, enquanto detentor de 50% do capital da TAP, "tem de acompanhar com cuidado toda a gestão" da empresa, incluindo as remunerações e os prémios.

Falando numa visita à Feira Nacional da Agricultura, que hoje começou em Santarém, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que o capital do Estado na TAP "representa a presença dos contribuintes portugueses" na empresa, pelo que, mesmo sendo esta privada, tem de acompanhar seja nos prémios ou nas remunerações e, "por maioria de razão, na estratégia", no que "é a política de expansão, nas aquisições que faça".

"Por uma razão muito simples, qualquer acionista de uma empresa privada deve acompanhar a gestão da empresa privada. O Estado tem metade do capital da TAP deve acompanhar atentamente a gestão da TAP", frisou.

Questionado pelos jornalistas sobre se não considera censurável que a TAP tenha distribuído 1,7 milhões de euros em prémios num ano de elevados prejuízos, Marcelo Rebelo de Sousa repetiu a mensagem de que, enquanto acionista, o Estado "tem de acompanhar atentamente", porque, "correndo bem ou correndo mal, metade da responsabilidade acionista é dos portugueses".

A agência Lusa noticiou na terça-feira que a TAP pagou prémios de 1,171 milhões de euros a 180 pessoas, incluindo dois de 110 mil euros atribuídos a dois quadros superiores, apesar de em 2018 ter registado um prejuízo de 118 milhões de euros.

O primeiro-ministro, António Costa, disse na quinta-feira que o Estado considera o modelo de distribuição de prémios da TAP "incompatível com os padrões de sobriedade" que devem existir em empresas participadas pelo Estado.

A Comissão Executiva da TAP justificou a atribuição dos prémios com o "programa de mérito" aplicado pela companhia, que diz ter sido "fundamental" para os resultados atingidos em 2018.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.