Marcelo condecora vice-chefe a 10 meses do fim do mandato de Rovisco Duarte

Cerimónia decorre segunda-feira no Palácio de Belém, onde o general Loureiro dos Santos vai ser agraciado com a Ordem de Santiago.

O Presidente da República condecora segunda-feira o vice-chefe do Estado-Maior do Exército, general Fernando Serafino, a 10 meses do fim do polémico mandato do atual comandante do ramo, general Rovisco Duarte, soube este sábado o DN.

Fernando Serafino é o único no ativo dos quatro oficiais generais que o Comandante Supremo das Forças Armadas vai agraciar no Palácio de Belém: o general na reforma Loureiro dos Santos, o vice-almirante Mourão Ezequiel (Marinha) e o tenente-general Xavier Matias (Exército), estes dois na reserva.

Politicamente, o gesto de Marcelo Rebelo de Sousa é visto como sinal de que Rovisco Duarte não será reconduzido como chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) a 15 de abril de 2019, admitiram fontes militares.

Recorde-se que o mandato de Rovisco Duarte tem sido marcado por fortes polémicas e grande desconfiança e mal-estar entre os subordinados.

Os casos mais mediáticos foram a forma como reagiu a seguir ao furto de Tancos - exonerando comandantes com base em figuras jurídicas inexistentes - ou lidou com os militares Comandos acusados da morte de dois recrutas.

Neste último caso demorou ano e meio para responder aos pedidos de apoio judiciário e só depois de aprovar normas que inviabilizavam a concretização desse direito estatutário por parte dos visados.

Fernando Serafino, visto há muito nos bastidores como um futuro CEME, vai ser agraciado com a Grã-Cruz da Ordem de Aviz.

Com a mesma distinção vão ser agraciados Ezequiel Mourão (presidente do Conselho Superior de Disciplina e diretor da Comissão Cultural da Marinha) e Xavier Matias, presidente do Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA).

Loureiro dos Santos, ex-ministro da Defesa e antigo CEME, vai receber a Grã-Cruz da Ordem de Sant'Iago da Espada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.