Marcelo acredita que Orçamento será "aprovado sem problema"

Em Marvão, o Presidente da República disse acreditar que o Orçamento para 2019 será "aprovado sem problemas". Falou depois de uma receção ao corpo diplomático e antes do Festival Internacional de Música do Marvão.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse neste sábado que o Orçamento do Estado para 2019 (OE 2019) vai ser "aprovado sem problema". Foi antes de assistir a um concerto no Festival Internacional de Música do Marvão (FIMM), no distrito de Portalegre, e após uma receção ao corpo diplomático em Portugal

"Como tenho dito, aquilo que sinto e que penso, na base da realidade política portuguesa, é de que o OE 2019 será aprovado sem problema", afirmou o Presidente da República. Acrescentou ainda ter "boas" expectativas sobre os encontros com os partidos que estão agendados para 30 e 31 deste mês".

"Eu tenho boas [expectativas]. Claro que é, não direi uma rotina, mas um hábito adquirido, ouvi-los periodicamente. Não tem nada de dramático, precisamente a ideia é desdramatizar, ouvi-los serenamente sobre as perspetivas no futuro imediato", disse aos jornalistas.

A quinta edição do FIMM prolonga-se até ao dia 29, inclui 40 concertos, que envolvem 300 músicos de 20 nacionalidades, assim como conferências, iniciativas para crianças ou encontros gastronómicos.

Segundo o Presidente da República, que já no ano passado visitou o FIMM, trata-se de "um festival espetacular, de nível europeu e mundial", para o qual convidou neste ano o corpo diplomático representado em Portugal, para que os embaixadores possam "admirar o que é num concelho lindíssimo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.