O dia em que Manuel Pinho vai finalmente falar

O ex-ministro é ouvido de manhã no DCIAP e na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas à tarde

O ex-ministro de economia Manuel Pinho vai ser ouvido na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, hoje à tarde, depois de ser interrogado às 10:00, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), em Lisboa.

Manuel Pinho chegou às 10.30 da manhã ao DCIAP de Lisboa acompanhado pelo advogado Ricardo Sá Fernandes e já deverá estar a ser ouvido.

A audição de Manuel Pinho na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas já estava agendada há algum tempo, mas o Ministério Público decidiu marcar este interrogatório "de supetão", como explicou à Lusa o advogado de Manuel Pinho, Ricardo Sá Fernandes.

Manuel Pinho tinha dito, através do seu advogado, que só falaria depois de ser interrogado pela justiça. Em maio, em comunicado, o advogado de Manuel Pinho, Ricardo Sá Fernandes, revelou que o ex-ministro, que deixou de ser arguido no caso EDP, estaria disposto a prestar "todos os esclarecimentos" aos deputados, mas só depois de ser interrogado pelo Ministério Público.

Em causa estarão suspeitas vindas a público na imprensa de que Manuel Pinho teria recebido pagamentos através do saco azul do BES numa sociedade offshore. O Observador noticiou que essa sociedade se chamaria "Tartaruga Foundation", teria sede no Panamá.

O jornal Expresso noticiou que, em 12 anos (entre 2002 e 2014), Pinho teria recebido 3,5 milhões - e, nomeadamente, os pagamentos teriam continuado enquanto Manuel Pinho esteve no Governo de José Sócrates, entre setembro de 2005 e junho de 2009.

Resta saber se estes pagamentos foram ou não corrupção ao ministro ou se correspondem a remunerações devidas pelo trabalho de gestão de Manuel Pinho no Grupo Espírito Santo.

O que está em questão será a corrupção favorecendo a EDP em mais de 1,2 mil milhões - no âmbito das chamadas rendas que o estado paga à elétrica, desde que os Contratos de Aquisição de Energia (CAE) foram transformados em Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) e também a concessão de 27 barragens à EDP, vitaliciamente.

Em Maio, Manuel Pinho deixou de ser arguido no caso EDP. O juiz Ivo Rosa deu razão à defesa, num pedido de nulidade da constituição de Manuel Pinho como arguido, alegando ilegalidades na acusação, uma vez que defendia que Manuel Pinho não tinha sido informado dos factos pelos quais era suspeito.

A sessão inaugural da comissão de inquérito às rendas excessivas da energia decorreu com a audição de Pedro Sampaio Nunes, um dos autores da denúncia a Bruxelas sobre apoios concedidos à EDP, o primeiro a prestar depoimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.