Manuel Pinho não chegou a ser ouvido no DCIAP

Audição no DCIAP foi adiada. Ex-ministro da Economia falará esta tarde no Parlamento.

O ex-ministro da Economia Manuel Pinho saiu das instalações do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), em Lisboa, às 11:16, sozinho, tendo feito apenas a seguinte declaração: "Eu sei o que queria dizer, mas não vou dizer. O Sá Fernandes depois explica-vos."

Pouco depois, o advogado explicaria que houve "razões processuais" que levaram a que a sessão fosse adiada, segundo relata o Observador. Aguarda-se um comunicado do Ministério Público explicando a situação. "Como é sabido, o senhor juiz de instrução anulou o ato de constituição do Dr. Manuel Pinho como arguido. Portanto, o dr. Manuel Pinho não é, neste momento, arguido neste processo. Esse é um dado inquestionável", esclareceu o advogado.

Manuel Pinho tinha chegado às 10:32, meia hora depois do previsto, ao DCIAP para ser interrogado, acompanhado pelo seu advogado, Ricardo Sá Fernandes. Aí, deveria ter sido pelo procurador Hugo Neto onde deveria ter sido ouvido no âmbito do caso EDP. Em causa estarão suspeitas vindas a público de que Manuel Pinho teria recebido pagamentos através do saco azul do BES numa sociedade offshore.

Na segunda-feira, em declarações à Lusa, Ricardo Sá Fernandes disse que este interrogatório foi marcado "de supetão" e que se ia encontrar nesse dia com o seu cliente, acabado de chegar do estrangeiro.

Em maio, em comunicado, o advogado de Manuel Pinho, Ricardo Sá Fernandes, revelou que o ex-ministro, que deixou de ser arguido no caso EDP, estaria disposto a prestar "todos os esclarecimentos" aos deputados, mas só depois de ser interrogado pelo Ministério Público.

Hoje, às 15:00, está agendada uma audição parlamentar com Manuel Pinho, na sequência de um requerimento do PSD.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.