Cristas explora 'caso Silvano'. "A minha password só eu é que a utilizo"

Líder do CDS diz que o caso envolvendo o deputado e secretário-geral do PSD "põe em causa a credibilidade das nossas instituições democráticas"

Assunção Cristas declarou hoje que nunca partilhou a senha pessoal de acesso aos computadores no plenário e considerou "lamentável e dispensável" tudo o que ponha em causa a credibilidade das instituições.

Instada a pronunciar-se sobre a polémica que envolveu o deputado do PSD José Silvano, que teve presenças registadas em plenário por uma colega de bancada, apesar de estar ausente, Assunção Cristas respondeu que nunca assistiu, nunca fez e desconhece algum caso do género no grupo parlamentar do CDS-PP.

"Eu queria dizer que nunca ouvi tal coisa no meu grupo parlamentar. A minha password só eu é que a utilizo. Mas também esse tema não é da nossa preocupação, temos as nossas regras que têm funcionado bem."

Questionada sobre se o caso penaliza a imagem do parlamento, Assunção Cristas reiterou que, relativamente à bancada do partido que lidera, nunca assistiu e desconhece algum "caso desse género".

"Naturalmente que tudo aquilo que põe em causa a credibilidade das nossas instituições democráticas, é lamentável e é dispensável", disse a presidente do CDS-PP, que falava aos jornalistas à margem da iniciativa "Portugal Exportador", que decorre no Centro de Congressos de Lisboa.

Na semana passada, a deputada social-democrata Emília Cerqueira assumiu ter registado a presença em plenário do deputado José Silvano em dias em que o parlamentar estava ausente.

Emília Cerqueira admitiu que utilizou a senha eletrónica do deputado José Silvano para aceder a documentação. A senha eletrónica é de uso pessoal e intransmissível e a sua utilização serve para registar as presenças dos deputados no plenário da Assembleia da República.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.