"Gosta de fazer brilharete com o dinheiro dos outros"

Assunção Cristas comentou a notícia do jornal i desta terça-feira, que refere que grande parte do apoio financeiro disponibilizado pelos parceiros europeus vai permanecer nos cofres do Estado para repor veículos e reforçar o material de combate aos fogos.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, acusou esta terça-feira o Governo de António Costa de "fazer brilharete com o dinheiro dos outros" e de ser incapaz de "fiscalizar e garantir que todas as verbas são devidamente aplicadas".

Assunção Cristas considera que o "Governo continua a ter que dar muitas explicações sobre" o uso das verbas para a reconstrução das zonas afetadas pelos incêndios e garantiu que o CDS-PP pediu "a presença urgente do ministro responsável pela reconstrução [das áreas afetadas pelos incêndios de 2017] no Parlamente, o ministro Siza Vieira, para explicar o aproveitamento ou o desaproveitamento ou o abuso nos fundos que foram canalizados para a reconstrução de Pedrógão".

"O que me parece é que o governo gosta de fazer brilharete com o dinheiro dos outros", vincou.

A líder do Partido do Centro Democrático Social Partido Popular, que também é vereadora sem pelouro na Câmara Municipal de Lisboa, falava aos jornalistas durante um périplo pela Escola Básica de 1.º Ciclo O Leão de Arroios e comentou a notícia do jornal i desta terça-feira, que refere que grande parte do apoio financeiro disponibilizado pelos parceiros europeus vai permanecer nos cofres do Estado para repor veículos e reforçar o material de combate aos fogos.

"Creio que é preciso chamar, no limite, todo o Governo e o primeiro-ministro para dar respostas", afirmou, acrescentando que além da presença do ministro Pedro Siza Vieira, também acredita que provavelmente "tem de se juntar o ministro do Planeamento, [Pedro Marques], uma vez que estão em causa o próprio uso de fundos e verbas europeias".

"Não há aqui uma resposta clara até agora do Governo e, portanto, tem de ser trabalhado no Parlamento. Há, de facto, uma incapaz ação do governo de fiscalizar e de garantir que todas as verbas são devidamente aplicadas", considerou, referindo-se às verbas "que vêm dos fundos europeus, do Orçamento do Estado e da solidariedade dos portugueses".

Bruxelas enviou 50 milhões de euros, através do Fundo Solidário Europeu, para os incêndios do último ano, mas apenas 24 milhões vão ser canalizados na reabilitação dos concelhos afetados pelos fogos de outubro, segundo adianta o jornal i.

Os restantes 26 milhões de euros vão permanecer nos cofres do Estado para apoiar instituições como a Guarda Nacional Republicana, Proteção Civil, Instituto de Conservação da Natureza e o Fundo Florestal Permanente. Pedrógão Grande não está contemplado neste apoio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.