Deputado do PS contra ministro da Defesa por causa do serviço militar obrigatório

Ivan Gonçalves, líder da JS e deputado socialista, lembra que o programa de governo não prevê o regresso do serviço militar obrigatório (SMO) e diz que o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, não deve falar sobre o assunto.

O deputado recorda, em comunicado, que a JS se bateu pelo fim do SMO e contesta o facto de Azeredo Lopes ter admitido, numa recente visita às tropas na Lituânia, que poderia voltar a ser necessário para colmatar a falta de efetivos nas Forças Armadas.

Para Ivan Gonçalves, secretário-geral da JS e deputado da bancada socialista, "regressar a um modelo de SMO seria um verdadeiro retrocesso civilizacional, pelo que não vislumbramos, neste momento, nenhuma razão substantiva que nos leve a considerar que esta deva ser uma matéria passível de ser revertida. Alguns setores da sociedade têm tentado retomar esta discussão, remetendo para as supostas virtuosidades do SMO. Não só não nos revemos nesta visão passadista do que deve ser o estado ou o sentimento de nacionalidade, como ela nos remete para um tempo ao qual Portugal não deve voltar".

Ivan Nunes frisa ainda que "o serviço militar obrigatório não só não é uma solução para os eventuais problemas de falta de efetivos nas Forças Armadas, o que aliás é amplamente reconhecido pelas chefias militares, como é da opinião que a formação cívica e a transmissão de um conjunto e de uma hierarquia de valores aos jovens portugueses não deve estar à mercê da reposição deste regime de caráter militarista, antes deve ser incrementada pelo fomento da participação cidadã nas escolas e na sociedade".

Foi na Lituânia, onde 150 fuzileiros portugueses integram uma missão NATO de tranquilização da região leste da Europa, que Azeredo Lopes admitiu abrir o dossier do SMO em Portugal. O ministro da Defesa considerou interessante o modelo adotado pela Lituânia para fixar os militares nas Forças Armadas, ou seja a passagem entre 3.000 a 3.500 pessoas pelas Forças Armadas, por períodos de nove meses.

O debate sobre a reintrodução do SMO está a decorrer em toda a Europa, mas em França já teve desenvolvimentos. O presidente francês Emmanuel Macron cumpriu a promessa eleitoral e instituiu o serviço militar obrigatório para todos os jovens a partir dos 16 anos, destinado a rapazes e raparigas e dividido em duas fases. .

A primeira fase traduz-se num mês de serviço obrigatório com um foco na cultura cívica, ou seja, trabalho voluntário (ensino, caridade) e instrução com a polícia, bombeiros e exército. A ideia desta primeira fase é "capacitar os jovens para a criação de novas relações e desenvolver o seu papel na sociedade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?