"Já dissemos ao Governo": as três prioridades do Bloco para o Orçamento

Baixa do IVA na eletricidade, reforma por inteiro para longas carreiras contributivas e investimento na saúde e educação

Baixa do IVA na eletricidade, a reforma por inteiro para longas carreiras contributivas e o investimento na saúde e educação. São estas as prioridades que o BE elegeu para o Orçamento do Estado para 2019, o último que a geringonça terá de discutir nesta legislatura.

"Já o dissemos ao Governo. Estas são matérias fundamentais para o último Orçamento do Estado da legislatura", afirmou o líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, numa conferência de imprensa, na Assembleia da República, em Lisboa, em que fez um balanço da 3.ª sessão legislativa.

A quase três meses do prazo para a apresentação do Orçamento no Parlamento, os bloquistas afirmam-se dispostos a tentar encontrar "soluções imaginativas" para o IVA na eletricidade, que pode passar, segundo admitiu o deputado do BE, por uma modulação da baixa do imposto, a exemplo da taxação escalonada na fatura da água.

Pedro Filipe Soares recordou que o Governo tem um compromisso com "o Bloco, a maioria e o país" quanto às muito longas carreiras contributivas e que se trata de uma questão "de dignidade e de justiça" para quem começou a descontar quase em criança.

Para o BE, é também necessário existir "uma valorização dos serviços públicos", em especial na educação e na saúde, uma opção em que se deve "salvaguardar a qualidade", acrescentou.

São "vitórias" que o BE não teve na sessão legislativa de 2018, afirmou Pedro Filipe Soares, e que espera ter agora, no último ano da legislatura em que assinou um acordo parlamentar de apoio ao Governo minoritário do PS, liderado por António Costa.

As primeiras conversações entre o primeiro-ministro e o BE sobre matéria orçamental aconteceram no final de junho e o prazo para a entrega do Orçamento do Estado de 2019 é 15 de outubro.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.