"Já dissemos ao Governo": as três prioridades do Bloco para o Orçamento

Baixa do IVA na eletricidade, reforma por inteiro para longas carreiras contributivas e investimento na saúde e educação

Baixa do IVA na eletricidade, a reforma por inteiro para longas carreiras contributivas e o investimento na saúde e educação. São estas as prioridades que o BE elegeu para o Orçamento do Estado para 2019, o último que a geringonça terá de discutir nesta legislatura.

"Já o dissemos ao Governo. Estas são matérias fundamentais para o último Orçamento do Estado da legislatura", afirmou o líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, numa conferência de imprensa, na Assembleia da República, em Lisboa, em que fez um balanço da 3.ª sessão legislativa.

A quase três meses do prazo para a apresentação do Orçamento no Parlamento, os bloquistas afirmam-se dispostos a tentar encontrar "soluções imaginativas" para o IVA na eletricidade, que pode passar, segundo admitiu o deputado do BE, por uma modulação da baixa do imposto, a exemplo da taxação escalonada na fatura da água.

Pedro Filipe Soares recordou que o Governo tem um compromisso com "o Bloco, a maioria e o país" quanto às muito longas carreiras contributivas e que se trata de uma questão "de dignidade e de justiça" para quem começou a descontar quase em criança.

Para o BE, é também necessário existir "uma valorização dos serviços públicos", em especial na educação e na saúde, uma opção em que se deve "salvaguardar a qualidade", acrescentou.

São "vitórias" que o BE não teve na sessão legislativa de 2018, afirmou Pedro Filipe Soares, e que espera ter agora, no último ano da legislatura em que assinou um acordo parlamentar de apoio ao Governo minoritário do PS, liderado por António Costa.

As primeiras conversações entre o primeiro-ministro e o BE sobre matéria orçamental aconteceram no final de junho e o prazo para a entrega do Orçamento do Estado de 2019 é 15 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.