Governo faz três propostas de aumento de salários. BE diz que ficam aquém

Já se conseguiu "um avanço que tinha sido negado", disse líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares. Mas escusou-se a concretizar as propostas do executivo

Se o PCP revelou esta sexta-feira que o Governo admite "uma solução de aumento geral" dos salários dos funcionários públicos, o Bloco de Esquerda antecipou que o executivo socialista colocou na mesa das negociações três propostas diferentes para discussão, mas o líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, escusou-se a concretizá-las. Também "porque o próprio Governo não tem posição fechada", apontou.

Aquilo que Pedro Filipe Soares disse, antecipa tempos ainda difíceis nas negociações. Os bloquistas entendem que o aumento na função pública "devia responder" ao que os funcionários públicos perderam face à inflação em dez anos de salários congelados. E as três propostas que o executivo socialista colocou na mesa "estão aquém do que gostaríamos que fosse implementado", reconheceu o líder parlamentar do BE.

Pedro Filipe Soares também sublinhou que já se conseguiu "um avanço que tinha sido negado", recordando que o ministro das Finanças, Mário Centeno, chegou a dizer que "não havia disponibilidade financeira". "Nós nunca desistimos", contrapôs o bloquista.

O PCP já tinha antecipado esta sexta-feira de manhã que o Governo estava "também aberto" a "uma solução de aumento geral dos salários para todos os trabalhadores da administração pública".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".