Gabriela Canavilhas renuncia ao mandato de deputada pelo PS

Deputada diz que vai regressar "à vida cultural e académica, às funções de professora do ensino secundário" e até, "eventualmente, à atividade pianística de forma mais regular"

A antiga ministra da Cultura Gabriela Canavilhas comunicou hoje ao presidente do Parlamento a sua renúncia ao mandato de deputada pelo PS. No dia 1 de setembro já não terá assento no plenário.

"Depois dos dois anos em que integrei o XVIII Governo Constitucional, os quatro anos e meio na oposição parlamentar na anterior legislatura, e passados já estes três anos da XIII Legislatura, venho comunicar-lhe que decidi terminar este importante ciclo na minha vida - a vida politica ativa - e, por consequência, venho apresentar-lhe o pedido de renúncia do meu mandato como deputada, com efeitos a partir de 31 de agosto 2018", escreve Gabriela Canavilhas na carta enviada a Eduardo Ferro Rodrigues.

Gabriela Canavilhas, deputada eleita pelo círculo eleitoral do Porto, foi candidata pelo PS a presidente da Câmara de Cascais nas últimas eleições autárquicas, tendo obtido 29% dos votos contra cerca de 46% da coligação PSD/CDS-PP, Carlos Carreiras, que repetiu a maioria absoluta neste município.

A partir de 01 de setembro voltarei à vida privada, à vida cultural e académica, às funções de professora do ensino secundário - funções que suspendi em 2003 - e, eventualmente, à atividade pianística de forma mais regular

Na carta, a antiga ministra da Cultura do segundo Governo liderado por José Sócrates revela o que tenciona fazer após abandonar o Parlamento: "A partir de 1 de setembro voltarei à vida privada, à vida cultural e académica, às funções de professora do ensino secundário - funções que suspendi em 2003 - e, eventualmente, à atividade pianística de forma mais regular."

Gabriela Canavilhas diz ter "muito orgulho" no trabalho que deixa feito na Assembleia da República, em particular nas áreas da Cultura e dos Negócios Estrangeiros, salientando, também, "a excelente relação" que manteve com todos os seus colegas, "de todas as bancadas", com quem diz ter "aprendido muito sobre politica, sobre a vida e sobre companheirismo parlamentar".

Na mesma missiva, destaca igualmente o seu trabalho na Assembleia Parlamentar do Mediterrâneo, qualificando-o como uma "experiência aliciante".

"Há muitas formas de servir o nosso país, irei continuar a fazê-lo, como sempre fiz, mas através de outros mecanismos e com as armas da intervenção cívica e da cultura", acrescenta.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...