Futebol alivia tensão entre ministros europeus da Administração Interna

Reunião europeia presidida pela Áustria foi dominada pelo dossier das migrações

A passagem da Croácia à final do Mundial de futebol na Rússia ajudou a aliviar os trabalhos desta quinta-feira do conselho europeu da Justiça e Assuntos Internos (JAI) em Innsbruck, sob a presidência austríaca e dedicada às migrações.

Portugal, que pela primeira vez nos conselhos JAI ficou colocado - após alteração feita pela equipa do ministro austríaco Herbert Kickl - entre a França e a Croácia, esteve representado pelo ministro Eduardo Cabrita.

A Áustria é um dos países europeus da linha dura na abordagem do problema das migrações, por oposição a Estados membros como Portugal, que tem dominado a agenda política da UE nos últimos anos.

Proteção das fronteiras, políticas de asilo e cooperação policial foram alguns dos temas do encontro, que fontes da delegação portuguesa disseram ao DN ter sido marcado por vários momentos de forte tensão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.