Foi com pessoal da Carris a última aparição de Salazar - As imagens

Foi publicada a 13 de julho de 1968 a última reportagem fotográfica do Diário de Notícias de Salazar ainda como saudável Presidente do Conselho, um encontro com o pessoal da Carris em Lisboa. Três semanas depois, Salazar caiu da cadeira no Estoril.

Foi com o antetítulo de "O pessoal da Carris agradecido a Salazar" e a manchete "Somos todos solidários uns com os outros dentro da nação", que o DN de 13 de julho de 1968 noticiou aquela que viria a ser a última aparição pública do Presidente do Conselho fotografada pelo jornal antes da célebre queda da cadeira a 3 de agosto de 1968, faz hoje exatamente meio século.

Fruto da pesquisa de Sara Guerra, coordenadora do arquivo do DN, a reportagem fotográfica aqui apresentada é assim a última de uma longuíssima série feita pelo DN desde a ascensão de António de Oliveira Salazar até ao acidente que levou ao seu afastamento da liderança do país ao fim de quatro décadas de poder absoluto. Entre as reportagens dedicadas a Salazar feitas pelo DN estão o plebiscito de 1933, o atentado bombista em 1937 ou a visita de Isabel II em 1957. O DN, claro, tem também no seu arquivo a reportagem fotográfica do funeral do ditador, que morreu a 27 de julho de 1970.

A primeira página desse DN de 13 de julho de 1968 destaca ainda a tomada de posse de um novo governo francês, o projeto da barragem de Cabora-Bassa em Moçambique e a experiências do famoso Dr. Christian Barnard, cirurgião sul-africano, que num "novo cometimento" médico instalou "uma válvula de porco no coração de um homem".

Salazar recebeu o pessoal da Carris na sua residência oficial no Palácio de São Bento a 12 de julho. Caiu da cadeira três semanas depois no Forte de Santo António do Estoril, a sua residência de verão. Marcelo Caetano tomou posse como Presidente do Conselho a 28 de setembro, uma escolha onde teve papel decisivo o Presidente Américo Tomás.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.