Ex-MNE dirige Conselho Político Estratégico do partido de Santana

O partido "Aliança" anunciou hoje a composição dos órgãos que vão dirigir o partido até ao congresso fundador, que será em Évora a 9 e 10 de fevereiro do próximo ano.

António Martins da Cruz, embaixador jubilado, ministro de Negócios Estrangeiros de Durão Barroso entre abril de 2002 e outubro de 2003, vai dirigir ao Conselho Político Estratégico da "Aliança", o partido criado por Pedro Santana Lopes e cuja existência já foi sancionada pelo Tribunal Constitucional (TC).

A novidade foi avançada hoje na página do "Aliança" no Facebook. Na mesma nota lê-se que Pedro Santana Lopes irá dirigir a Comissão Instaladora do partido, ficando Paulo Bento à frente da Comissão Organizadora do Congresso (COC).

Martins da Cruz demitiu-se há semanas do PSD dizendo: "Não me revejo em pacóvios." "Não me revendo na orientação e prática política da atual liderança, e da maioria das figuras à sua volta, renuncio por este meio e a partir de hoje à condição de militante", escreveu o antigo embaixador.

As listas reveladas elencam 38 pessoas espalhadas por aqueles três órgãos - algumas das quais ex-militantes do PSD, como o próprio fundador do partido, Pedro Santana Lopes. Entre eles Carlos Pinto (ex-vice-presidente do partido e ex-presidente da câmara da Covilhã), Luís Cirillo (ex-secretário-geral adjunto), Carlos Poço (ex-deputado) e Rosário Águas (ex-deputada do PSD e ex-secretária de Estado). Incluem também uma ex-deputada do CDS, Margarida Neto, e um antigo dirigente do PPM, Pedro Quartin-Graça.

O "Aliança" anunciou também que conta com o apoio do maestro Álvaro Cassuto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.