Paulo Portas foi a Cascais apoiar Nuno Melo e pedir voto dos eleitores PSD no CDS

O antigo líder do PP voltou aos comícios e afirmou que "o país padece de um desequilíbrio excessivo a favor das esquerdas mais radicais e nunca a prosperidade de uma nação se construiu duradouramente com essas forças"

Paulo Portas, antigo líder do CDS-PP, regressou esta terça-feira, por uma noite, aos comícios partidários para apoiar Nuno Melo na corrida às europeias e fez um apelo aos eleitores "não socialistas", incluindo do PSD.

Portas discursou cerca de 25 minutos, perante centenas de simpatizantes e militantes do CDS-PP, no mercado de Cascais, distrito de Lisboa, e resumiu aos três minutos iniciais as suas reflexões e apelos sobre as eleições europeias de domingo.

O ex-vice-primeiro-ministro e líder do CDS-PP "durante 16 anos", como fez questão de lembrar do palco, lembrou que Nuno Melo, cabeça de lista, e Pedro Mota Soares, "número dois", foram seus vices no partido e disse ter "esperança que ambos sejam eleitos" e que o partido "avance e recupere os dois deputados" -- a meta fixada pela própria direção de Assunção Cristas.

"Queria dizer aos eleitores da nossa área, não socialista. O país padece de um desequilíbrio excessivo a favor das esquerdas mais radicais e nunca a prosperidade de uma nação se construiu duradouramente com essas forças", afirmou ainda. Por isso, justificou, "é importante garantir que a moderação fica à frente da demagogia e que o senso comum prevalece sobre as utopias".

A seguir, entrou na fase em que fez "algumas meditações" sobre a Europa, nomeadamente sobre a falta de liderança na União Europeia, mas "voltou" a Portugal para concordar com Assunção Cristas que "cativações e impostos é o novo nome da austeridade". E advertiu que, no Governo PSD/CDS-PP, entre 2011 e 2015, quando foi vice-primeiro-ministro, "reduzir défice de mais de 11% para 3% dá um pedacinho mais trabalho" do que fez o atual executivo.

Portas repetiu ainda o que confessou dizer aos seus "amigos socialistas", depois de elogiar a conversão do PS à ideia de controlo das contas públicas. "Quem não quer depender dos FMI da vida, de acertos e de erros, não endivida o pais loucamente", acrescentou.

Sobre a Europa, alinhou também no discurso do combate aos populismos, à esquerda e à direita, e atribuiu culpas aos moderados na Europa, por, na crise dos migrantes, terem deixado "Itália sozinha" e agora se queixarem dos "populismos em Itália".

Para o fim, o antigo líder centrista deixou a informação de que já tinha votado no CDS-PP nestas europeias, por ser um dos milhares de pessoas que, por não estar em Lisboa no domingo, votou antecipadamente. "O meu voto já lá está", afirmou, despedindo-se com uma frase - "que não vos falte a força e não vos falte a fé."

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.