Marisa Matias diz que Bruxelas prepara "um assalto" às pensões

A candidata às eleições europeias pelo Bloco de Esquerda disse que Bruxelas quer reduzir a Segurança Social "a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria".

A cabeça de lista do BE às eleições europeias de 26 de maio, Marisa Matias, alertou este domingo, num almoço/comício no Funchal, que Bruxelas "está a preparar um assalto às pensões" para recuperar o sistema financeiro.

"Há um tema que não tem sido falado", disse a candidata, alertando que "a União Europeia está mesmo a preparar um assalto às pensões", através de um PPR europeu, "um negócio à medida do mercado de capitais", para aliviar "a pressão sobre os fundos públicos" e "recuperar o sistema financeiro".

Marisa Matias disse que o BE e os pensionistas não querem os descontos "nas mãos do sistema financeiro" e que a União Europeia "quer é atacar" os sistemas públicos da Segurança Social e das pensões.

"O objetivo de Bruxelas é recuperar o sistema financeiro à custa das pensões e por isso inventa uma desculpa da falta de poupanças", salientando que Bruxelas quer reduzir a Segurança Social "a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria".

Por isso, Marisa Matias lançou uma pergunta aos cerca de 400 participantes no almoço/comício que decorreu na praça do peixe do Mercado dos Lavradores no Funchal: "Querem mesmo ver as vossas pensões nas mãos de banqueiros como Joe Berardo, Ricardo Salgado ou Armando Vara?"

A cabeça de lista do BE, depois de salientar que o bloco central europeu onde estão o PS, PSD e o CDS/PP estão do lado do sistema financeiro, apelou aos militantes para não faltarem ao voto no dia 26 de maio "para defender as pensões que merecem".

O candidato pela Madeira do BE Rui Ferrão defendeu a necessidade da Madeira, enquanto região ultraperiférica, ter um representante no Parlamento Europeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.