Francisco Assis abre Convenção do PS, António Costa encerra

Eurodeputado dado como fora da lista socialista faz as honras da casa. Pelo púlpito passam ministros e ex-ministros. Pedro Marques, que será anunciado como cabeça-de-lista do PS, não está no conjunto de oradores.

O eurodeputado Francisco Assis - que é apontado como estando de fora da próxima lista dos socialistas às europeias - abre e o secretário-geral socialista, António Costa, encerra a Convenção Europeia do PS, no sábado, em Gaia, em que Pedro Marques será anunciado como cabeça-de-lista às eleições de 26 de maio. Mas o ministro do Planeamento e Infraestruturas não surge na lista de oradores.

Além da participação de Francisco Assis, que foi o n.º 1 da lista do PS nas eleições europeias de 2014, a Convenção Europeia do PS contará com a presença do candidato Partido Socialista Europeu (PSE) à presidência da Comissão Europeia, o holandês Frans Timmermans, que discursará na sessão de encerramento dos trabalhos, pelas 18.30.

Após as intervenções de abertura a cargo do presidente do PS, Carlos César, de Francisco Assis, e do líder da Federação do Porto do PS, Manuel Pizarro, ao longo da tarde de sábado, no Pavilhão Municipal de Gaia, vão discursar os ministros das Finanças e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, e o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

Ferro Rodrigues falará sobre "Os desafios da Europa", Mário Centeno sobre o "Futuro da União Económica e Monetária", João Pedro Matos Fernandes sobre "Respostas às alterações climáticas" e Augusto Santos Silva sobre "A Europa e o futuro".

Na Convenção Europeia do PS, haverá um debate temático sobre o manifesto político dos socialistas, tendo como oradores o eurodeputado Pedro Silva Pereira, a vereadora da Câmara do Porto Fernanda Rodrigues e a ex-ministra da Administração Interna e que foi eleita pelo círculo do Porto, Constança Urbano de Sousa.

Já no debate temático sobre "A Europa no mundo", estão previstas intervenções do eurodeputado Carlos Zorrinho e do ex-ministro Azeredo Lopes.

Antecedendo a abertura formal dos trabalhos da convenção, no período da manhã realiza-se uma conferência temática do Partido Socialista Europeu (PSE) sobre assuntos sociais, que será aberta pelo ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, pelas 10.45, e encerrada pela secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes.

Nesta conferência temática, estão previstos discursos do presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, da eurodeputada Maria João Rodrigues, e do secretário-geral adjunto do PSE, Yonnec Polet. O moderador será João Albuquerque, que é presidente dos Jovens Socialistas Europeus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.