Assis e a ausência das listas do PS: "Não me tira um minuto de sono"

O eurodeputado socialista Francisco Assis elogia política europeísta de António Costa e garante que está empenhado em ajudar na campanha eleitoral

O eurodeputado socialista Francisco Assis afirmou esta quinta-feira que em caso algum entrará em confronto com António Costa por causa da lista europeia do PS, salientando mesmo que essa questão não lhe tira um minuto de sono.

Em declarações à agência Lusa, Francisco Assis, que foi cabeça de lista do PS nas eleições europeias de 2014, então sob a liderança partidária de António José Seguro, procurou desdramatizar a possibilidade de não continuar no Parlamento Europeu por mais cinco anos.

Perante as questões formuladas pela agência Lusa, Francisco Assis tentou antes frisar que, independentemente de qualquer cenário em termos de lista europeia do PS, estará empenhado na próxima campanha eleitoral em defesa do projeto europeu preconizado pelo atual secretário-geral socialista, António Costa.

"Desiludam-se os que julgam que vai haver confronto entre mim e o secretário-geral do PS, ou entre mim e o partido, porque isso, em absoluto, não vai acontecer, já que, no essencial, estamos de acordo. Eu ir ou não na lista não me tira um minuto de sono", afirmou o eurodeputado socialista.

Interrogado se já foi contacto pela direção do PS no sentido de apurar a sua disponibilidade ou não para continuar no Parlamento Europeu, Francisco Assis respondeu: "Não tive qualquer contacto, nem tinha de ter, porque as listas não foram propostas".

"Julgo que o PS vai ter um bom resultado e estou disponível, indo ou não nas listas, para participar ativamente no processo eleitoral"

"Eu sempre soube distinguir os planos. Tenho um bom relacionamento pessoal e político com o secretário-geral do PS, coincido com ele, em absoluto, nas questões de política europeia. Julgo que o PS vai ter um bom resultado e estou disponível, indo ou não nas listas, para participar ativamente no processo eleitoral", disse.

O cabeça de lista socialista nas europeias de 2014 fez mesmo questão de acentuar que "Ir ou não ir nas listas é irrelevante" para si.

"Na vida política ninguém pode estar agarrado aos cargos. Tenho responsabilidades e deveres. E a minha responsabilidade e o meu dever é o de, neste momento, estar de corpo e alma, inteiramente, ao serviço do PS na questão europeia - e, para isso, não é preciso eu ir na lista", alegou.

Para o antigo líder parlamentar do PS, a questão mais importante que se coloca no ato eleitoral de maio próximo é o seu partido "ganhar as eleições".

"É essencial contribuirmos para que o grupo social-democrata europeu tenha expressão no próximo Parlamento Europeu. Infelizmente, contrariamente ao que vai suceder em Portugal, em que vamos ganhar as eleições, em vários países europeus vamos ter perdas eleitorais", advertiu.

Ainda sobre a sua continuidade no Parlamento Europeu, Francisco Assis afirmou não ter qualquer problema com esse tema.

"Fui candidato a deputado europeu há cinco anos num determinado contexto político e vou cumprir esse mandato até ao último dia. Quem neste momento dirige o partido tem toda a legitimidade e liberdade para escolher quem muito bem entender e ninguém deve ficar contrariado por não integrar uma lista de candidatos a deputados. Mais ainda: Se não integrar a lista, estarei totalmente disponível para participar ativamente na campanha eleitoral - um processo que considero muito importante para o futuro da Europa", considerou.

"António Costa é um dos primeiros-ministros mais europeístas, mais respeitados na Europa e dos mais prestigiados na esquerda democrática"

Francisco Assis declarou depois ter "a certeza que o PS vai apresentar uma boa lista", elogiando, então, o papel que tem sido desempenhado pelo atual líder socialista no plano europeu.

"O António Costa, pelo seu discurso ao longo destes anos, dá-me garantias que é um europeísta absolutamente convicto. Se há marca que fica da ação governativa é precisamente essa, porque não cedeu em nada, nomeadamente em relação aos seus parceiros de coligação parlamentares, mantendo-se absolutamente fiel ao compromisso europeísta, que é uma marca que identifica a história política do PS. Hoje, António Costa é um dos primeiros-ministros mais europeístas, mais respeitados na Europa e dos mais prestigiados na esquerda democrática", sustentou.

Confrontado com a ideia de que o atual primeiro-ministro, António Costa, poderá contar consigo para integrar um novo Governo socialista após as eleições legislativas de outubro próximo, Francisco Assis recusou-se a pronunciar-se sobre esse cenário.

"Esse é um tema sobre o qual não quero especular", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.