Estado já deu 1,5 milhões de euros em benefícios fiscais a filha do ditador Obiang

Empresária abriu duas empresas na Zona Franca da Madeira, pagando por isso apenas 5% de IRC. Gerente das duas sociedades está ligado a mais 19 empresas, 15 das quais com a mesma morada

O Estado português já deu 1,5 milhões de euros em benefícios fiscais a duas empresas de uma filha do ditador Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, que dirige com mão pesada a Guiné Equatorial desde 1979.

Segundo o jornal Público, a empresária Francisca Nguema Jiménez (que também assina como Francisca Obiang Jiménez), nascida em 25 de março de 1975, abriu duas empresas na Zona Franca da Madeira: a sociedade Coralco (em 2013), detida a 100% pela filha de Obiang, e a Masela (em 2018), que é participada em partes iguais por Francisca e pela... Coralco.

Presidente da agência da Guiné Equatorial para obras públicas, nomeada pelo pai - e a teia de familiares de Obiang que gerem negócios e instituições do Estado é extensa -, Francisca Nguema Jiménez beneficiou de 1,5 milhões de euros por pagar 5% de IRC só por estar naquela zona franca, apesar de não se conhecer qualquer atividade das duas empresas na região e de esta ser uma condição para usufruir do regime fiscal especial desta zona.

Não se conhece qualquer atividade das duas empresas na região

O gerente das duas sociedades (que não têm site) da empresária equato-guineense é Francisco José de Gouveia, que está ligado a mais 19 empresas (como gerente, representante ou administrador), 15 das quais com sede na mesma morada, no Funchal: na Rua Dr. Brito Câmara, n.º 20, 1.º andar. Gouveia não respondeu às questões do Público, como também não respondeu o escritório que representará a empresária em Espanha, L&S Abogados.

Apesar de, na zona franca da Madeira, se saber quem são as empresas e os donos, observadores internacionais têm alertado para relações privilegiadas desta zona com praças financeiras pouco ou nada transparentes.

Ler mais

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.