Eurodeputados portugueses divididos quanto à visão de Juncker

Presidente da Comissão Europeia falou no posicionamento da União Europeia à escala global, mas criticou a falta de respostas concretas para os problemas dos europeus

Os partidos portugueses dividiram-se esta quarta-feira, em Estrasburgo, quanto à apreciação do discurso do presidente da Comissão Europeia sobre o Estado da União, com a esquerda a destacar os pontos negativos e o PSD e o CDS-PP os positivos.

O eurodeputado socialista Carlos Zorrinho elogiou a parte do discurso em que Jean-Claude Juncker abordou o posicionamento da União Europeia (UE) à escala global, mas criticou a falta de respostas concretas para os problemas dos europeus.

"Foi sem dúvida um bom discurso do ponto de vista do posicionamento da União Europeia à escala do mundo. E essa é uma questão muito importante. Mas, foi um discurso menos convincente quando se trata das respostas concretas para os problemas dos europeus", disse.

Contudo, acrescentou, há agora a necessidade de "aproveitar as linhas abertas" para, designadamente, "completar a União Económica e Monetária, tornar as migrações um processo legal, mais simples e rápido",

Carlos Zorrinho defendeu ainda que "a parceria Europa-África é uma boa ideia" e "a tributação das gigantes tecnológicas é também muito positiva".

Paulo Rangel, do PSD, classificou o discurso como "muito bom", afirmando que "teve até um aspeto inesperado".

"Em vez de ser de balanço, que seria o expectável no último discurso de uma personalidade europeia com as características de Juncker, um europeísta convicto, ele basicamente falou sobre o futuro, o que é muito positivo" e foi às áreas críticas, abordando a questão das migrações, o reforço da zona euro e não deixou de falar do Brexit.

O eurodeputado social-democrata destacou também aquilo a que chamou uma espécie de "Plano Marshall para África", que está também ligado à questão das migrações, o que considerou igualmente muito positivo.

"Mas, não houve uma palavra sobre as perspetivas financeiras para os próximos sete anos, especialmente para mudar os critérios, e está na altura de colocar a questão na agenda", sustentou Paulo Rangel, considerando "totalmente inaceitável" que países como Portugal ou a Estónia vejam o seu orçamento reduzido, enquanto o da Alemanha e da Espanha é aumentado.

A este propósito, Paulo Rangel disse ser necessário que o Governo revele em que estado está a negociação do pacote de fundos para Portugal.

Pelo CDS-PP, o eurodeputado Nuno Melo afirmou que Juncker fez "um discurso previsível" na medida em que "tocou nos principais pontos que estão na agenda na UE", como as migrações, o Brexit, os extremismos, a par de outros "temas relevantes", como o futuro alargamento e as questões ambientais.

"Não é um discurso surpreendente, mas é um discurso importante, que vai a tudo aquilo que deve ser tratado" na UE, argumentou, contestando, contudo, a possibilidade de as regras de funcionamento da União serem alteradas para acabar com a necessidade de unanimidade em algumas matérias, porque "isso relegaria os países mais pequenos ou menos relevantes demograficamente para um plano de segunda", em que os maiores prevaleceriam.

Nuno Melo disse acreditar numa União Europeia em que um país como Portugal é "tratado com o mesmo peso decisório" do que um país como a Alemanha.

"Tudo o que seja alterações institucionais que tendam a distorcer esta regra, balançando o pêndulo para o lado dos mais fortes (...) esse projeto fará de nós na UE 'filhos de um deus menor'", sublinhou.

João Ferreira, do PCP, criticou o "exercício de propaganda e de mistificação" protagonizado por Jean-Claude Juncker em que, "por um lado, elogia-se a lógica do compromisso, por outro, pretende-se acabar com a regra da unanimidade e reforçar com isso o poder dos grandes estados".

"Fala-se num conceito de soberania europeia que não é outra coisa senão a soberania das grandes potências, o poder de imporem os seus interesses aos demais", acusou.

Para o eurodeputado do PCP, o discurso do presidente da comissão "confirma um quadro em que tudo converge para um reforço do poder das grandes potências de estas poderem impor os seus interesses e os interesses dos seus grupos económicos e financeiros".

Marisa Matias, do BE, sustentou que Juncker levou hoje ao Parlamento Europeu "uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma", não apresentando propostas concretas.

A deputada comunista apontou o caso da remoção dos plásticos ou da mudança da hora como "medidas muito parciais, que não respondem de maneira nenhuma aos desafios que a UE tem pela frente".

"Foi uma mão cheia de coisa nenhuma em relação aquela que é a medida concreta dos dez mil novos guardas costeiros, da segurança reforçada e novos mecanismos. E é de coisa nenhuma, porque não é uma ameaça que enfrentemos neste momento, não é um problema real. O que a comissão se propõe é retirar à coesão, aquela que é uma política fundamental de criação de emprego de qualidade (...) e passa tudo isso para a questão da segurança, quando na realidade a segurança se resolve através da cooperação entre os estados-membros", argumentou.

Para Marisa Matias, este programa de segurança "não só não vai resolver nada, como ainda trará efeitos perversos", apontando o caso da escolha dos migrantes que podem entrar, o que considerou contradizer o discurso da solidariedade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)