Costa quer seguir caminho com a geringonça "no coração". Mas devagarinho

Costa lançou avisos à esquerda, críticas à direita e elogiou a ação do governo. E a geringonça? "Enquanto houver caminho para percorrer devemos percorrê-lo", mas "sem recuos e sem ficar a marcar passo"

Terminou a discussão parlamentar do Estado da Nação. Um debate cheio de avisos das bancadas da esquerda, que questionaram repetidamente António Costa sobre o caminho que pretende seguir no último ano da legislatura, e com o primeiro-ministro a avisar que nem sempre se pode avançar a grande velocidade - "Não vamos pôr o travão, mas temos de moderar a velocidade". "Não somos santos milagreiros", diria António Costa durante o debate. Siza Vieira, ministro-adjunto, repetiu a mensagem no encerramento: "Não podemos dar passos maiores do que a perna, mas o nosso passo é agora mais firme".

"Não vamos pôr o travão, mas temos de moderar a velocidade", avisou Costa

À esquerda, com acento nas dificuldades do Serviço Nacional de Saúde e na necessidade de maior investimento público, ouviram-se reparos à ação do governo. "Não vai tudo bem", avisou Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda. "É preciso fazer escolhas", o país precisa de "respostas claras", sublinhou também Jerónimo de Sousa. "É um problema se o governo resolver fazer marcha atrás, como está a fazer na legislação laboral", alertou igualmente Heloísa Apolónia. Divergências que tiveram como pano de fundo permanente as metas impostas por Bruxelas - "É cada vez mais difícil ao Governo explicar as suas escolhas europeias", criticou a líder bloquista.

No debate desta sexta-feira ecoaram também as palavras do ministro Augusto Santos Silva, que disse que uma nova geringonça na próxima legislatura exigirá maior compromisso, nomeadamente em matérias europeias. O BE disse, ironicamente, que sim. Heloísa Apolónia despachou a questão de outra forma: "Convidamo-lo aqui a deixar de fazer futurologia".

António Costa rejeitou sempre que esteja a afastar-se do caminho acordado com os parceiros em 2015, e garantiu empenho nesta solução de governo, agora que a legislatura entra na reta final: "A geringonça não está só no nosso coração, como na nossa cabeça". Também Carlos César, líder parlamentar socialista, sublinhou o papel dos parceiros da esquerda na governação, partilhando com eles o "sucesso", mas também "as dificuldades".

À direita, PSD e CDS traçaram um retrato negro do Estado da Nação, com Fernando Negrão a defender que o governo está "esgotado" e a apontar as dificuldades do Serviço Nacional de Saúde como exemplo disso mesmo. E atirou aos partidos que sustentam a maioria:"A natureza desta maioria de esquerda é a do escorpião". Naquela que foi a sua primeira intervenção como líder parlamentar, num debate do Estado da Nação, foi brindado com uma entusiasta ovação da bancada social-democrata.

Também Assunção Cristas não poupou críticas ao estado do país. Mas também visou o PSD pelo caminho, afirmando que o CDS é "uma alternativa que não sonha com um Bloco Central".

RECORDE AQUI O DEBATE SOBRE O ESTADO DA NAÇÃO

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.