Embaixador espera que EUA não retaliem

Martins da Cruz convicto que António Vitorino dará maior importância internacional à organização da ONU para as Migrações.

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros António Martins da Cruz disse esta sexta-feira esperar que os EUA "não se retirem" da Organização Internacional das Migrações (OIM), devido à derrota do seu candidato para diretor-geral.

António Vitorino foi eleito esta sexta-feira como diretor-geral da OIM em Genebra, na quarta ronda de votações, vencendo os candidatos dos EUA - que há cerca de 50 anos ocupavam ininterruptamente o cargo - e da Costa Rica.

Convicto que António Vitorino "saberá dar à OIM uma importância internacional que não tem agora", o embaixador reconheceu ao DN que o resultado da eleição "é obviamente uma derrota dos EUA".

Agora "esperamos todos é que os EUA, porque perderam esta eleição, não se retirem da organização como fizeram" na UNESCO, ou na Comissão dos Direitos Humanos, "ou tenham retaliações, diminuindo ou cortando mesmo a sua contribuição, que é bastante importante", alertou Martins da Cruz.

Frisando que a OIM "saiu há alguns anos da clandestinidade em que estava" com a sua integração nas Nações Unidas, o que lhe "deu uma nova dinâmica", o antigo embaixador de Portugal junto da NATO defendeu que António Vitorino "pode dar um contributo muito importante para a resolução" do problema das migrações.

"É uma oportunidade, porque nunca se falou tanto de migrações como agora", argumentou Martins da Cruz , sublinhando que a vitória de Vitorino "deve-se ao perfil do candidato", bem como à "diplomacia portuguesa e concretamente ao embaixador Pedro Bártolo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.