Ecrã gigante para assistir à última aula de Marcelo

A Universidade de Lisboa espera milhares de pessoas para assistir à aula que marca a despedida de Marcelo como professor da Faculdade de Direito

A Universidade de Lisboa espera que duas a três mil pessoas não consigam entrar na Aula Magna para assistir esta quinta-feira à última aula de Marcelo Rebelo de Sousa como professor da Faculdade de Direito. Mas para que possam acompanhar a aula de sapiência do Presidente da República, que marca também a abertura oficial do ano letivo, vai ser colocado um ecrã gigante na Alameda da Universidade.

O salão nobre da Aula Magna acolhe 1600 pessoas e se, habitualmente nas cerimónias de abertura do ano letivo o espaço é insuficiente, espera-se que esta tarde muita gente não consiga entrar, dado o interesse que a aula de Marcelo poderá despertar. Daí a solução de colocar na rua um ecrã LED de grandes dimensões para que todos os que queiram possam assistir.

Luís Ferreira, vice-presidente da Universidade Lisboa, disse ao DN que esta manhã ainda não estava fechada a lista de personalidades presentes e as que se sentarão na primeira fila para assistir à aula - que marca despedida de Marcelo da universidade onde lecionou desde 1972.

No entanto, estava já confirmada a presença dos ministros da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e da Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, bem como de vários secretários de Estado. O primeiro-ministro, António Costa, que foi aluno de Marcelo no curso de Direito, não está presente porque se encontra em Salzburgo, na Áustria, a participar no Conselho Europeu informal. O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, que é a segunda figura do Estado, também marca presença, sendo acompanhado pelos líderes dos grupos parlamentares e vários outros deputados.

O antigo presidente da República Jorge Sampaio também faz questão de assistir à última aula de Marcelo, bem como os presidentes de tribunais superiores - Supremo, Contas e Administrativo. Do constitucional esta manhã ainda não havia confirmação. Os presidentes das câmaras municipais de Lisboa e Sintra também fazem questão de assistir à aula do Presidente.

O Presidente terá ainda a ouvi-lo alguns familiares e vários membros da Casa Civil e da Militar do Palácio de Belém.

A cerimónia e o desfile académico

A cerimónia tem início marcado para as 15 horas, quando o aluno de Medicina, Rodrigo Lopes, que é vice-campeão universitário de judo, transportará a massa em prata da universidade. Segue-se o desfile académico da equipa reitoral, membros do conselho geral e professores. À frente virá o Presidente da República, o reitor da Universidade de Lisboa, Cruz Serra, e a presidente do conselho geral, Leonor Beleza, que foi colega de curso de Marcelo.

Antes da aula de Marcelo, haverá intervenções de um aluno, de um funcionário, de Cruz Serra e de Leonor Beleza - um protocolo habitual na abertura do ano letivo.

Este será um dia de festa na Universidade de Lisboa, com a receção aos caloiros. Na Alameda da Universidade, que este ano terá um ecrã gigante devido ao interesse que a última aula de Marcelo poderá suscitar, haverá barraquinhas de comes e bebes, slide e música das 17 às duas da manhã.

Marcelo já disse que a aula será um retrato da sua vida e da seu percurso académico: "Como é um balanço, é um bocadinho olhar para trás e tentando não ser muito maçador, muito enfadonho, muito longo, recordar esse ritmo galopante à medida que o mundo mudava, a Europa mudava, o país mudava e a minha vida também mudava."

Mas certamente regressará muitas vezes à casa como convidado para dar aulas de mestrado e doutoramento. "Não o vejo a fazer de outra forma, ainda por cima é muito admirado pelos alunos", diz o vice-reitor Luís Ferreira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.