É passageiro frequente? Pode ter novo passaporte eletrónico por 100 euros

Novo modelo de passaporte eletrónico para os viajantes frequentes tem mais 16 páginas e custa mais 35 euros que o documento comum.

Os portugueses que viajam com frequência podem agora ter um passaporte eletrónico com mais 16 páginas que o normal e o custo adicional de 35 euros.

A medida é publicada esta terça-feira em Diário da República, numa portaria sobre as taxas aplicadas à emissão da segunda geração de passaportes eletrónicos (comum, especial, diplomático) e que entram amanhã em vigor.

Os novos passaportes eletrónicos comuns para passageiros frequentes - com mais 16 páginas que os normais - vão custar 100 euros, enquanto os restantes mantêm o valor de 65 euros.

Caso sejam requeridos nos postos ou secções consulares, o custo desses novos passaportes é de 115 euros.

Quanto ao aumento das taxas a receber pela instituição emissora - a Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM) - para cobrir os custos adicionais impostos pelas novas regras de segurança, elas passam dos atuais 22,5 euros para os 22,58 euros no caso dos passaportes eletrónicos comuns.

Esse valor, no caso dos destinados aos passageiros frequentes, será de 33,03 euros.

Segundo a portaria, esta segunda geração de passaportes eletrónicos "acolhe as mais recentes inovações em matéria de documentação de segurança que visam otimizar o nexo seguro entre o passaporte e o seu titular, dissuadindo a utilização fraudulenta, e garantindo, simultaneamente, a interoperabilidade com os sistemas inteligentes de controlo de fronteiras".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.