"É muito importante para Portugal que o Executivo de Costa termine a legislatura"

Ao jornal "La Voz de Galicia", Marcelo considera que o Governo deve dar prioridade às questões sociais, como "a saúde pública, a justiça e a educação"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, acredita que o Governo, apoiado pela esquerda parlamentar, vai levar o seu mandato até ao fim, disse em entrevista ao jornal La Voz de Galicia, no âmbito da atribuição do prémio Fernández Latorre, que, pela primeira vez distinguiu um chefe de Estado estrangeiro.

"A pouco mais de um ano das eleições legislativas no meu país, considero politicamente muito importante para Portugal que o Executivo de [António Costa] termine a legislatura, evitando crises internas", afirmou o Presidente da República. Aliás, uma posição que, voltou a sublinhar, defende desde que tomou posse.

"Deve continuar com a consolidação orçamental, sustentar o crescimento criando condições para que possa ser duradouro e esteja assente em mais exportações e, sobretudo, investimento"

Questionado sobre quais são os principais problemas que Portugal e eo Executivo de António Costa enfrentam atualmente, Marcelo Rebelo de Sousa considera que o "governo não deve baixar os braços nem ter demasiada confiança". "Deve continuar com a consolidação orçamental, sustentar o crescimento criando condições para que possa ser duradouro e esteja assente em mais exportações e, sobretudo, investimento", defendeu.

"Deve-se evitar que este longo ano eleitoral, que já começou, contorne os debates essenciais para os portugueses e que faça regressar crispações inúteis do passado"

Ao Governo, o chefe de Estado pede que seja dada mais atenção às reinvidações sociais, "como a saúde pública, a justiça e a educação". Marcelo deseja que o Executivo consiga terminar a reoganização do poder político em Portugal, "como a descentralização, de forma mais sustentada, justa e realista".

Ao jornal galego, Marcelo faz ainda um apelo : "Deve-se evitar que este longo ano eleitoral, que já começou, contorne os debates essenciais para os portugueses e que faça regressar crispações inúteis do passado"

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.