"Diferentes partidos têm posições distintas", diz Ferro Rodrigues ao PR chinês

Presidente da Assembleia da República disse ao Presidente da China, Xi Jinping, que pluripartidarismo não impede "consensos"

"Direitos humanos" foi uma expressão totalmente ausente do discurso que o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, fez ao Presidente da China, Xi Jinping, na reunião, à porta fechada, que ambos (e respetivas comitivas) mantiveram esta quarta-feira de manhã no Parlamento.

Contudo, Ferro Rodrigues - cuja assessoria distribuiu depois o seu discurso aos jornalistas - fez questão de definir perante o chefe do Estado chinês o Parlamento português como "a Casa da Democracia Portuguesa" e também de salientar a natureza pluripartidária do sistema político português - e o facto de isso não impedir unidade na visão, por exemplo, do que devem ser as relações Portugal-China.
"Diferentes partidos têm posições distintas, e distintos pontos de vista", afirmou. Para a seguir acrescentar que isso no entanto não impede "o grande consenso que nos une no objetivo de aprofundar o relacionamento com a China".

Para Ferro Rodrigues, "o ano de 2018 ficará na história do relacionamento bilateral luso-chinês" e sinal disso foi a visita oficial que ele próprio fez à China há menos de duas semanas, "plena de sucesso" e "muito produtiva e amistosa". "Procuraremos consolidar ainda mais a amizade que nos une", acrescentou.

Disse ainda que "o grupo parlamentar de amizade com a China existente na Assembleia da República tem assumido um papel fundamental neste relacionamento", salientando aqui o papel do embaixador de Portugal em Pequim, José Augusto Duarte, e, "naturalmente", o do embaixador da China em Lisboa, Cai Run, "um grande amigo de Portugal".

Para o presidente da Assembleia da República, a presença de Xi Jinping em Portugal "é o melhor testemunho da excelência do relacionamento" entre os dois Estados "e povos". Além do mais, a República Popular da China é um dos "maiores parceiros comerciais" de Portugal "e os seus empresários são dos que mais apostam" na economia nacional, sendo de salientar que "fazem-no agora mas fizeram-no também em circunstâncias adversas".

Ferro Rodrigues considerou ainda que "se 2018 é um ano de referência nas relações luso-chinesas, 2019 será um ano de celebração", dado que em fevereiro próximo passarão quarenta anos do estabelecimento de relações diplomáticas entre a República Portuguesa e a República Popular da China. "São quarenta anos de diálogo, de cooperação e de trabalho em prol do bem-estar dos nossos povos", e o Parlamento português irá "naturalmente" associar-se às comemorações da data.

Qualificando a visita de Xi Jinping como "histórica", o presidente da AR considerou que foi dado "mais um passo no estreitamento dos laços tão profundos e amigos que unem" os dois países - "laços assentes no respeito pelos princípios do tratamento igual e da confiança mútua". "Faço assim votos para que este estreitamento se traduza em ações concretas, projetos conjuntos, no desenvolvimento da cooperação, ajudando-nos a todos a construir um mundo melhor", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

O Mourinho dos Mourinhos

"Neste país todos querem ser Camões mas ninguém quer ser zarolho", a frase é do Raul Solnado e vem a propósito do despedimento de José Mourinho. Durante os anos de glória todos queriam ser o Mourinho de qualquer coisa, numa busca rápida encontro o "Mourinho da dança", o "Mourinho da política", o "Mourinho da ciência" e até o "Mourinho do curling". Os líderes queriam ter a sua assertividade, os homens a sexyness grisalha e muitas mulheres queriam ter o Mourinho mesmo.