Deputados visitaram militares na República Centro-Africana

Delegação parlamentar foi recebida em Bangui pelo chefe do Estado, Faustin-Archange Touadera.

Uma delegação da Comissão parlamentar de Defesa esteve esta sexta-feira com os militares portugueses destacados na República Centro-Africana (RCA), ao serviço da ONU e da UE, soube o DN.

A comitiva de cinco deputados, que já deixou Bangui em direção a São Tomé e Príncipe, também esteve reunida com o presidente da RCA, Faustin-Archange Touadera - que no final de março recebeu o seu homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa.

A delegação foi liderada pelo seu presidente, Marco António Costa (PSD), e incluía mais quatro deputados: o social-democrata Pedro Roque, Miranda Calha e João Soares (PS), João Rebelo (CDS). Os grupos parlamentares do BE e do PCP optaram por não participar na visita, embora tenham dado o seu apoio à iniciativa, explicou uma das fontes daquela comissão.

Esta missão foi aprovada poucos meses após o governo da geringonça estar em funções e num contexto político em que Portugal procurava eleger António Guterres como secretário-geral da ONU. No ínico de 2017, pouco antes da partida do primeiro contingente, PSD e CDS alertaram para os riscos dessa missão, que se revelavam superiores aos que o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, tinha dito existirem.

Os deputados estiveram a inteirar-se das condições de segurança em que operam os capacetes azuis portugueses ao serviço da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da RCA (MINUSCA), em toda a RCA e como Força de Reação Rápida (FRR) do comandante operacional da ONU.

A Comissão de Defesa foi ainda recebida pelo contingente que comanda a Missão de Treino da UE na RCA (EUTM RCA), liderada pelo brigadeiro-general Hermínio Maio.

O terceiro contingente militar na MINUSCA tem 159 efetivos, na sua maioria paraquedistas e completada com militares da estrutura de apoio logístico do Exército, além de quatro controladores aéreos táticos da Força Aérea.

Os capacetes azuis portugueses, enquanto FRR da ONU, atuam em todo o território da RCA contra grupos armados e para proteger e garantir a segurança das populações. O país está dividido em quatro áreas operacionais: Bangui e os setores Oeste, Central e Leste.

No caso da EUCM RCA, o comando português com quatro dezenas de efetivos tem um mandato de um ano e é responsável pelo aconselhamento aos responsáveis políticos e militares da RCA. A par disso, desenvolve o treino e formação das Forças Armadas Centro-Africanas (FACA), bem como os respetivos documentos enquadradores.

Os militares portugueses estão na RCA desde 2017, substituindo unidades militares francesas que Paris retirou para reforçar o seu combate aos terroristas do Estado Islâmico.

Recorde-se que esse regresso de Lisboa às missões humanitárias e de paz da ONU implicou a saída temporária das operações da NATO (leia-se Kosovo), dando força às críticas do PSD e do CDS de que o Governo PS estava refém das posições do BE e do PCP.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.