Deputados sem acesso à listagem do material furtado de Tancos que apareceu

Segredo de justiça impede Exército de comunicar inventário do material furtado em Tancos que foi recuperado e listado pela Polícia Judiciária Militar.

O Exército disse ao Parlamento estar impedido de apresentar a listagem do material furtado de Tancos e que foi recuperado.

A informação consta da nota distribuída esta terça-feira aos deputados da Comissão parlamentar de Defesa e enviada pelo chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), general Rovisco Duarte.

A listagem completa do material recuperado, pedida pelo CDS, foi feita pela Polícia Judiciária Militar (PJM). O material à guarda do Exército foi depois "objeto de um auto de apreensão" por parte da PJ a 18 de junho de 2018 onde estavam elencados os referidos bens apreendidos, precisou o CEME.

Como esse documento está classificado como confidencial e "não existindo autorização da autoridade judiciária competente" para falar sobre o assunto, Rovisco Duarte ficou assim impedido de a enviar ao Parlamento.

Os deputados receberam o documento no final da audição da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna (SGSSI) e momentos antes de começar a da secretária-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SGSIRP), Graça Mira Gomes. À tarde vai decorrer a audição do CEME.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.