Defesa. Forças Armadas ajudaram a salvar 394 vidas em 2018

Mais de 2700 militares estão esta semana envolvidos no apoio à Proteção Civil e ao Instituto de Conservação da Natureza e Florestas.

As 318 missões realizadas este ano pelos três ramos militares, a pedido das autoridades civis, ajudaram a salvar 394 vidas humanas, informou esta quinta-feira o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

Essas missões da Marinha e da Força Aérea, "em apoio" à Autoridade Marítima Nacional (AMN) e ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), corresponderam a 16 missões de transporte de órgãos humanos, 56 ações de salvamento marítimo e 246 resgates médicos, referiu o EMGFA.

A par dessas operações, as Forças Armadas - agora por via do Exército - continuam empenhadas em "oito missões de apoio" à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) e ao Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) em vários pontos do país.

Os 2733 militares estão envolvidos em patrulhas de vigilância florestal (Braga, Sintra), beneficiação de caminhos florestais (Serra da Arrábida e Costa da Caparica) e apoios de engenharia (Leiria, Portalegre, Lisboa e Loulé), acrescentou o EMGFA.

O EMGFA exerce o comando operacional sobre os três ramos das Forcas Armadas, a quem cabe recrutar, formar, treinar e aprontar os seus efetivos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.