"15% dos professores não deviam ter entrado" no sistema de ensino

O presidente do Conselho Estratégico Nacional do PSD garantiu, esta quarta-feira, que o melhor investimento na Educação é nos professores, no jantar-conferência da Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide. E defendeu que só os melhores devem entrar no sistema.

Juquinha queria saber "qual o melhor investimento na Educação, é na tecnologia?" David Justino desfez as dúvidas ao aluno caboverdiano, que participa na Universidade de Verão do PSD: "O melhor investimento na Educação é nos professores. Há 20, 25% professores excecionais, 60% bons, e 15% nunca deviam ter entrado" no sistema de ensino.

O antigo ministro da Educação de Durão Barroso, que também foi presidente do Conselho Nacional de Educação, frisou que "é preciso fazer com que só os melhores professores entram no sistema de ensino". O problema da seleção do professor à entrada do sistema é crucial, defendeu.

"O problema é que não há seleção"

Também no Ensino Superior deteta o mesmo problema. "Há os excelentes professores e péssimos investigadores" e vice-versa. "É preciso diferenciar", as duas componentes do sistema.

Admitiu que tem uma posição polémica sobre as contratações nas Universidades, que só deveriam integrar nos seus quadros doutorados formados fora das entidades contratantes. "As universidades estão a ser demasiado endogâmicas. Havia departamentos onde os diretores contratavam os próprios filhos", disse em tom crítico.

Ao aluno que o interpelou sobre a justiça da contratação por três anos dos investigadores bolseiros, por parte das instituições de Ensino Superior, David Justino manifestou-se dividido sobre a matéria. " As pessoas têm direito a ter situação estável, mas como coordenador de departamento de investigação não tenho financiamento da FCT. Se tenho projetos pago aos bolseiros, se deixo de ter projetos como lhes pago?"

Ainda na ronda de respostas às perguntas dos alunos, o vice-presidente reconheceu que a taxa de absentismo nos professores disparou. "É a instabilidade que gera desmotivação". E na sua opinião nem tudo passa por injetar mais dinheiros no sistema de Educação. "Tudo o que fizermos para melhorar a função dos professores é investimento, mas isso não quer dizer que se gaste mais dinheiro".

Sobre a polémica decisão do governo de reduzir 5% a oferta dos cursos em Lisboa e Porto - para reforçar a oferta no interior, mas que acabou por ser feita em Aveiro, Braga e Coimbra - que motivou a censura de uma das alunas no jantar-conferência, Justino classificou a decisão do ministro socialista Tiago Brandão Rodrigues de "completamente irracional". Porque, disse, condiciona os acesso dos alunos aos melhores cursos.

O outro orador da noite, Sebastião Feyo de Azevedo, ex-reitor da Universidade do Porto e colaborador do CES, concordou com o diagnóstico de Justino sobre aquela redução. "Como reitor sempre disse que a medida dos 5% era incompreensível e desastrosa, dividiu os reitores. É uma medida populista e sem qualquer eficácia".

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.