Cristas concorda com corte no preço do passe social "para todo o país"

A líder do CDS-PP afirma que esta medida deve ter especial atenção no passe familiar e mantém ainda a defesa de que o interior do país não deve ser penalizado a nível fiscal.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, referiu esta terça-feira que, "havendo margem e possibilidade" de concretizar, a redução do preço dos passes sociais é uma medida que merece a "melhor atenção" do partido, mas afirmou que deve ser alargada ao resto do país e que não se pode criar "uma medida em vez de outra".

Durante um périplo pela Escola Básica do 1.º Ciclo O Leão de Arroios, a líder do CDS-PP afirmou aos jornalistas que o partido está em linha com a ideia do Governo de António Costa para reduzir o preço dos passes sociais em todo o país e ressalvou a importância de essa medida albergar o passe familiar.

"Havendo margem e possibilidade de reduzir nos passes sociais e, em particular, no passe familiar, porque é diferente um agregado familiar com duas pessoas ou com três ou quatro a seu cargo e que tenham, naturalmente, de pagar transporte público para todo o agregado familiar. Essas medidas devem ser bem estudadas e merecem a nossa melhor atenção", explicou.

Cristas considerou, contudo, que "tem que se pensar para todo o país, não apenas para Lisboa e para o Porto" e que "não é uma medida em vez de outra".

"Quando falamos na redução do Imposto Sobre Produtos Petrolíferos (ISP) é para garantir que o Governo cumpre com a sua palavra em matéria de neutralidade fiscal. Há zonas [do país] que não estão cobertas de forma satisfatória por transportes públicos, onde as pessoas não têm alternativa alguma ao uso do próprio automóvel e estão a ser muitíssimo penalizadas do ponto de vista fiscal", afirmou, acrescentando que "se houver redução tem de haver para todo o país de forma equitativa".

Sobre o pacote fiscal que o CDS-PP vai levar a votos na Assembleia da República, a líder do Partido do Centro Democrático Social Partido Popular destacou a "dedução dos montantes pagos com portagens ou a redução de 50% do IRS para o interior" de Portugal: "Quando se pensa apenas para uma determinada área, acho que estamos a cometer um erro muito grande e não estamos a beneficiar a coesão territorial."

"Então esse passe familiar tem de ser para todo o país. Lisboa sim, mas para todo o país", finalizou.

O Governo está a estudar a possibilidade de descer o preço dos passes sociais em todo o país e a medida pode custar ao Estado e às autarquias 95 milhões de euros, de acordo com as informações prestadas pelo ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, ao Jornal de Negócios.

De acordo com o governante, a medida pode vir a custar 95 milhões de euros, um valor que se reparte por 65 milhões de euros na Área Metropolitana de Lisboa, 15 a 20 milhões na Área Metropolitana do Porto e cinco a dez milhões para o resto do país.

Para o João Pedro Matos Fernandes, o encargo tem de ser repartido pelas autarquias. "Não faz sentido ser o Estado central, por via do Orçamento do Estado, a financiar a despesa com as indemnizações a pagar às empresas de transportes nas deslocações [dentro dos municípios] ", disse em declarações ao jornal.

Os valores não estão, no entanto, ainda definidos e por isso não há um valor para a despesa que seria necessária constar no Orçamento de Estado para 2019.

A ideia surge depois de no último fim de semana o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), e da Área Metropolitana de Lisboa (AML) ter defendido uma redução do passe social. Em entrevista ao semanário Expresso, o autarca afirmou estar a negociar com o Executivo de António Costa uma redução para os 30 euros mensais, referente aos títulos dentro da cidade, e para os 40 euros nos passes válidos para os 18 municípios da área metropolitana de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.