Costa garante que "ainda há muito por fazer"

Em declarações ao The New York Times, o primeiro-ministro assume que provou ser possível uma "alternativa" à austeridade, mas admite que o país "ainda não passou do lado oculto para o lado brilhante da lua"

A reportagem do jornal norte-americano está cheia de bons exemplos. E a conclusão é bastante lisonjeira para o Governo português - e para a "geringonça": "Num momento de crescente incerteza na Europa, Portugal desafiou os seus críticos, que insistiam que a austeridade era a resposta para a crise económica e financeira do continente."

Num momento de crescente incerteza na Europa, Portugal desafiou os seus críticos, que insistiam que a austeridade era a resposta para a crise económica e financeira do continente

"O que se passou em Portugal mostra que demasiada austeridade aprofunda a recessão, e cria um ciclo vicioso", afirmou Costa, na entrevista que deu ao The New York Times. "Nós encontrámos uma alternativa à austeridade, focando no crescimento económico e em mais e melhores empregos".

Nós encontrámos uma alternativa à austeridade

Segundo o jornal, o Governo "está a caminho de alcançar um super-ávido em 2020, um ano antes do previsto, acabando com um quarto de século de défices".

"Os responsáveis europeus agora admitem que Portugal pode ter encontrado uma melhor resposta para a crise", afirma o jornal. E esse "volte-face económico teve um impacto espantoso na psique coletiva de Portugal". Mas, adverte o The New York Times, "o êxito é ainda vulnerável". "O crescimento está a arrefecer, depois dos 2,7% do ano passado", além de que se mantém "uma precaridade social" e Portugal tem um dos salários mínimos mais baixos da Europa.

Os responsáveis europeus agora admitem que Portugal pode ter encontrado uma melhor resposta para a crise

"Não passámos do lado obscuro para o lado brilhante da lua", concorda António Costa. "Ainda há muito por fazer." Mas o primeiro-ministro português assume uma conquista: "Quando começámos este processo, muitas pessoas diziam que o que queríamos atingir era impossível. Mostrámos que existe uma alternativa."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.