Costa diz que Azeredo lhe pediu a demissão de forma irrecusável

Primeiro-ministro divulga nota, por si assinada, em que diz que o ministro da Defesa lhe apresentou a demissão invocando a sua "dignidade, honra e bom nome"

Na nota, com apenas duas frases, o primeiro-ministro começa por explicar porque razão aceitou a demissão do ministro da Defesa.

"O senhor ministro da Defesa Nacional apresentou-me formalmente o seu pedido de demissão em termos que não posso recusar, em respeito pela sua dignidade, honra e bom nome, e para preservação da importância fundamental das Forças Armadas, como traves mestras da nossa soberania e identidade nacional, no quadro de uma sociedade democrática moderna", considerou António Costa.

A segunda frase da nota foi para deixar um elogio ao demissionário: "Quero publicamente agradecer ao professor doutor José Alberto de Azeredo Lopes a dedicação e empenho com que serviu o País no desempenho das suas funções."

António Costa comunicou a demissão ao Presidente da República mas ainda não lhe terá dito quem irá substituir Azeredo Lopes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.