Costa diz que PS "não é um partido anormal" por querer maioria absoluta

Primeiro-ministro afirma apoio total ao ministro da Saúde em entrevista ao semanário Expresso.

A geringonça constitui uma solução política que funcionará tanto melhor "quanto mais forte for o PS", que "não é um partido anormal" ao lutar pela maioria absoluta nas próximas legislativas, afirma António Costa ao Expresso.

Em entrevista ao semanário, que esta sexta-feira divulgou excertos na sua edição digital, o primeiro-ministro e líder socialista argumentou que "um PS mais enfraquecido certamente suscitará mais dúvidas sobre a estabilidade política e a continuidade desta política para os portugueses".

"Um PS que não tenha condições" para liderar de forma clara uma solução política como a atual "torna a situação inviável", referiu António Costa.

Assumindo que "a maioria absoluta dá jeito", Costa perguntou se "há algum partido que concorra sem querer o maior número de votos" e concluiu que o PS "não é um partido anormal" em lutar por esse objetivo.

O chefe do Governo afastou ainda a possibilidade de Adalberto Campos Fernandes deixar de ser ministro da Saúde, uma vez que isso não resolveria os problemas do setor.

"Recordo que foi preciso o ministro Correia de Campos demitir-se [em 2008] para acabar aquela curiosa epidemia de partos nas autoestradas, que nunca mais ocorreram desde que [ele] deixou de ser ministro", observou António Costa.

Por isso, sublinhou o primeiro-ministro, "se alguém espera que Adalberto Campos Fernandes deixe de ser ministro, para que esses problemas se resolvam por arte mágica, pode tirar o cavalinho da chuva que ele não deixará de ser ministro".

António Costa comentou ainda o caso Robles, dizendo ter ficado surpreendido por "não imagin[ar] que quem prega com tanta virulência a moral política cometesse pecadilhos" de tentar vender por 5,7 milhões de euros um imóvel adquirido por 347 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.