Costa diz que PS "não é um partido anormal" por querer maioria absoluta

Primeiro-ministro afirma apoio total ao ministro da Saúde em entrevista ao semanário Expresso.

A geringonça constitui uma solução política que funcionará tanto melhor "quanto mais forte for o PS", que "não é um partido anormal" ao lutar pela maioria absoluta nas próximas legislativas, afirma António Costa ao Expresso.

Em entrevista ao semanário, que esta sexta-feira divulgou excertos na sua edição digital, o primeiro-ministro e líder socialista argumentou que "um PS mais enfraquecido certamente suscitará mais dúvidas sobre a estabilidade política e a continuidade desta política para os portugueses".

"Um PS que não tenha condições" para liderar de forma clara uma solução política como a atual "torna a situação inviável", referiu António Costa.

Assumindo que "a maioria absoluta dá jeito", Costa perguntou se "há algum partido que concorra sem querer o maior número de votos" e concluiu que o PS "não é um partido anormal" em lutar por esse objetivo.

O chefe do Governo afastou ainda a possibilidade de Adalberto Campos Fernandes deixar de ser ministro da Saúde, uma vez que isso não resolveria os problemas do setor.

"Recordo que foi preciso o ministro Correia de Campos demitir-se [em 2008] para acabar aquela curiosa epidemia de partos nas autoestradas, que nunca mais ocorreram desde que [ele] deixou de ser ministro", observou António Costa.

Por isso, sublinhou o primeiro-ministro, "se alguém espera que Adalberto Campos Fernandes deixe de ser ministro, para que esses problemas se resolvam por arte mágica, pode tirar o cavalinho da chuva que ele não deixará de ser ministro".

António Costa comentou ainda o caso Robles, dizendo ter ficado surpreendido por "não imagin[ar] que quem prega com tanta virulência a moral política cometesse pecadilhos" de tentar vender por 5,7 milhões de euros um imóvel adquirido por 347 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.